A audiência de instrução referente ao duplo homicídio que vitimou o delegado José Antônio Zuba de Oliva e o funcionário público municipal Adilson da Silva, ocorrido em agosto do ano passado aconteceu ontem, na Vara Criminal de Matinhos, no litoral do Paraná,

Foram ouvidos os réus Paulo Roberto Pereira Quintal, conhecido como “Tutancâmon”, 37 anos, e Francisco Diego Vidal Coutinho, o “Russinho”, 20. Assim como já haviam feito no decorrer do inquérito criminal, ambos negaram ter atirado nas vítimas e jogaram a culpa nos dois comparsas Paulo “Gaúcho” e Felipe “Tex”, que morreram dois dias após o crime, em confronto com policiais militares.

Paulo declarou que atirou apenas para o alto e não acertou ninguém, enquanto que Francisco alegou que, na hora dos disparos, correu em direção ao mar. Sete testemunhas de acusação também prestaram depoimento, mas pouco acrescentaram e disseram apenas que ouviram os tiros e depois encontraram as vítimas mortas.

Os réus confessaram que estavam acampados no litoral com objetivo de se preparar para assaltar residências de luxo em Curitiba. Eles vieram da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.

Na manhã de 24 de agosto, foram surpreendidos pela polícia no Camping Olho D”Água. Na abordagem, o delegado e o funcionário morreram. Francisco foi preso em seguida e Paulo foi detido dez dias depois, em Joinville (SC). Os dois permanecem encarcerados num presídio da região metropolitana de Curitiba.