Fotos e vídeos enviados por celular deram inicio às ameaças a uma jovem de 22 anos que foi estuprada em Castro. Três rapazes foram apontados pela polícia como os responsáveis pelo crime. No dia do estupro, os três suspeitos eram menores de idade e tinham 15, 16 e 17 anos.

Depois das denúncias, um deles completou 18 anos, mas deve responder pelo crime como manda o Estatuto da Criança e Adolescente (ECA). Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na última sexta-feira (27) e os garotos podem ficar até três anos internados.

O estupro chocou a população e foi feito em um terreno baldio no centro de Castro, em plena luz do dia. A vítima se relacionava com um jovem que fazia parte de um grupo de aproximadamente 10 amigos e o crime aconteceu depois que a jovem enviou fotos e vídeos onde se mostrava em cenas eróticas a um destes adolescentes.

O material íntimo começou a ser dividido pelo grupo, até que três deles passaram a ameaçá-la. “Diziam que iriam contar para o pai dela e até chegaram a dizer que iriam compartilhar o conteúdo na internet para que todos vissem”, contou o delegado Emmanoel David.

Cansada das ameaças, a jovem teria atendido ao convite dos três adolescentes para que se encontrasse com eles para resolver a situação. “Eles prometeram que iriam conversar e parar de ameaçá-la, mas quando a encontraram, a levaram para o matagal e a estupraram, cada um de uma vez”.

Mandados de busca e apreensão foram cumpridos na sexta-feira (27) e os garotos podem ficar até três anos internados.(Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Gravação

De acordo com o delegado, a vítima foi forçada a praticar atos sexuais. Enquanto um deles a estuprava, os outros dois tomavam conta do local para garantir que ninguém visse ou ouvisse nada. Eles só não contavam que o notebook, que a jovem teria levado consigo, estava ligado e gravando tudo. “Ela deixou o aparelho entreaberto e foi tudo registrado. No áudio é possível ouvir a jovem negar várias vezes”, disse Emmanoel.

Depois de a estuprar, os adolescentes deixaram a menina, que contou tudo para o pai e, juntos, denunciaram o crime à polícia. “Com as investigações, ficou claro que a vítima foi forçada a praticar atos sexuais mediante violência física, suficiente para caracterizar crime de estupro”, explicou o delegado. Com base no inquérito, a Justiça concedeu mandado de busca e apreensão para os três, que ficarão apreendidos por 45 dias e podem ser internados até três anos, dependendo do resultado do julgamento do processo.

Cuidado

O que aconteceu com a moça da cidade que fica a pouco mais de 150 quilômetros de Curitiba foi usado como alerta pela polícia para que as pessoas tomem cuidado com o que compartilham por mensagens de celular. “Não é mais novidade o perigo que isso representa, pois não sabemos se podemos confiar ou não em quem está por trás. Na dúvida, a melhor coisa a fazer é não enviar foto ou vídeo e, se algo acontecer, procurar a polícia o mais rápido possível”, destacou o delegado.