O advogado de Gilmar e Cristiane Yared, pais de Gilmar Rafael Yared, morto no acidente em que se envolveu o ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho, no dia 7 de maio, em Curitiba, Elias Mattar Assad, protocolou uma nova petição na Delegacia de Delitos de Trânsito de Curitiba (Dedetran) solicitando informações a respeito da qualificação dos peritos que estão realizando os laudos que possuem informações técnicas sobre o acidente, que ocorreu no bairro Mossunguê.

“Quero saber quem eles são, se são engenheiros, designers, enfim, a qualificação deles”, comentou Assad. Ele também informou que fez outras indagações técnicas à delegacia sobre o acidente, pois laudos da perícia do local ainda não ficaram prontos.

No entanto, Assad, não adiantou quais seriam essas indagações. Na última segunda-feira, o advogado protocolou outra petição na Dedetran, solicitando que o ex-deputado fosse ouvido pela polícia e indiciado.

No mesmo dia, o delegado da Dedetran, Armando Braga, já estava a caminho de São Paulo para fazer o interrogatório num apart-hotel onde o ex-parlamentar está se recuperando depois que teve alta do Hospital Albert Einstein no último sábado.

Depois da oitiva na qual Carli Filho disse não se lembrar do acidente ou do restaurante que jantou antes dos fatos o ex-deputado foi indiciado por homicídio com dolo eventual.

O delegado Braga informou ontem que a reconstituição do crime não deve ser feita antes do dia 20 de junho, pois uma perita que seria necessária no trabalho está viajando.

Na madrugada de anteontem, peritos do Instituto de Criminalística fizeram medições no local do acidente. Segundo Braga, a reconstituição servirá também como subsídio para que os laudos técnicos sejam concluídos.

Carteiras

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) disponibilizou em seu site (www.seguranca.pr.gov.br) a lista dos motoristas que estão com a carteira de habilitação suspensa e ainda não a entregaram ao Departamento de Trânsito do Paraná (Detran).

A lista é acessível para qualquer cidadão, basta entrar no site e clicar no link “CNHs suspensas”. São mais de 40 mil nomes, já que, segundo a Sesp, dos 69 mil condutores do Paraná que estavam nessa situação, muitos já fizeram a entrega ao órgão de trânsito. No dia 27 de maio, a Sesp publicou uma resolução que prevê prisão para os motoristas que não entregarem o documento após 48 horas de notificação.