Quatro assaltantes armados atacaram a agência do Banco do Brasil, na Rua Coronel Carlos Pioli, no centro de Rio Branco do Sul, por volta de 10h de ontem. Além dos R$ 40 mil roubados da agência, eles levaram uma pistola calibre 357 de um soldado que aguardava o banco abrir.

Dois policiais militares ficaram feridos e carros que estavam estacionados e que passavam pelo local na hora do tiroteio foram atingidos. Alguns tiros também acertaram a bomba de combustível de um posto que fica em frente à agência, e por pouco não houve explosão.

Os assaltantes fugiram sentido Almirante Tamandaré com o Gol prata placa AQK-4209, roubado na noite anterior de uma família de Rio Branco do Sul e, mesmo com um cerco policial, não foram encontrados. Segundo o aspirante Adirley Wittkowski, coordenador de Policiamento de Unidade (CPU) do 17.º Batalhão da Polícia Militar, o soldado Leonardo estava de folga, na fila em frente à agência, e foi reconhecido pelos assaltantes.

O policial mora em Itaperuçu e presta serviço na delegacia de Rio Branco do Sul. “Eles renderam o policial, pegaram a sua arma e, com uma marreta, quebraram a divisória de vidro da agência.”

Tiroteio

Leonardo aproveitou a distração dos bandidos e correu por uma quadra até cruzar com a viatura da cidade. “Quando os bandidos saíam do banco com o dinheiro, foram surpreendidos pelos policiais”, explicou Wittkowski. Segundo ele, houve troca de tiros e o soldado-aluno Gregório foi baleado no braço.

O soldado Costa foi ferido com estilhaços de munição no rosto. Os dois foram socorridos e, depois de medicados, foram liberados. “Outras equipes foram chamadas e fizeram cerco por todas as estradas da região. A última informação era que eles haviam passado, em alta velocidade, pela região do Tranqueira, em Almirante Tamandaré”, contou o aspirante. Testemunhas afirmaram que eles possuíam armas longas, possivelmente um fuzil.

Policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) estiveram no local e devem dar continuidade às investigações. Na delegacia daquele município o delegado Cleudison Tavares disse que não poderia se pronunciar a respeito do assalto e todas informações seriam dadas pela Secretaria de Segurança Pública (Sesp).

Moradores no fogo cruzado

Fábio Alexandre
Balaços atingiram veículo e posto de combustível.

A vendedora Sônia, seu marido e os dois filhos, de 1 e 8 anos, chegavam com a caminhonete da família ao posto de combustível, quando foram surpreendidos pela correria vinda do outro lado da rua. “Primeiro vi um rapaz de boné correndo com uma mochila das costas e um revólver na mão, em seguida, um policial escondido atrás da nossa caminhonete e o bandido na frente. Foram muitos tiros, um deles acertou o pneu do nosso veículo”, contou a mulher, assustada.

Correria

O pedreiro José Maria também estava com seus filhos dentro do carro, quando aconteceu a troca de tiros. Ele disse que viu os policiais correndo e logo em seguida um tiro acertou a lanterna do seu carro e estourou o vidro traseiro. “Graças a Deus essa bala não atravessou a lataria. Poderia ter acertado os meus filhos que estavam no banco traseiro”, contou José.

Um homem, que não quis se identificar, contou que escapou por pouco. “Corri para o posto, mas quase me dei mal. Um tiro acertou um extintor e outros acertaram a bomba de combustível. Poderia ter provocado uma explosão.”