Um gesto de solidariedade com amigos custou a vida de Ronaldo Cezar dos Santos, 25 anos. Chamado para intervir numa briga na saída de um bailão, o motoboy desempregado foi morto com quatro tiros, às 2h20 de ontem, na Rua Francisco Fidélis, no Cajuru, em Curitiba.

Ronaldo dormia ao lado da esposa quando foi solicitado em casa por amigos. “Eu mesma o acordei. Achei que alguém estava doente e precisava de um carro”, contou a mulher, Marilene Salete da Silva, 27 anos. Prestativo, Ronaldo atendeu ao pedido, que na verdade era para apartar uma briga no bailão vizinho, segundo a mulher.

Minutos depois, Marilene ouviu os tiros. “Vi ele no chão, quase sem vida”, lembra a mulher. Com três tiros na nuca, um no peito e um no braço, Ronaldo foi socorrido com vida pelo Siate, mas morreu ainda na madrugada de ontem, no Hospital Cajuru.

Preocupada com o socorro, a família não entrou em contato com as testemunhas do crime. “A encrenca não era com ele. Só morreu por querer ajudar”, falou a mulher. Ronaldo fazia bico como segurança de uma danceteria em Pinhais e não tinha passagem pela polícia.