Chuniti Kawamura
Raimundo pode ter sido assassinado por um conhecido.

A sala bagunçada da humilde casa, situada na Avenida José Maria da Silva Paranhos, Vila Guarani, Alto Maracanã, Colombo, indicou a luta que aconteceu antes de o morador ser assassinado, na madrugada de domingo. Foi com pelo menos um pontaço no peito que Raimundo Martins de Oliveira, 57 anos, tombou morto no chão do casebre.

O homem foi encontrado morto na manhã de ontem, quando um vizinho foi até a casa, chamá-lo. O vizinho avisou a Polícia Militar que, ao chegar no local, encontrou Raimundo morto, com a boca amordaçada com uma toalha, os pés amarrados com um cadarço e as mãos, com um fio de luz. A faca usada pelo assassino estava jogada em cima da barriga da vítima. De acordo com o soldado Marchi, do 17.º Batalhão de Polícia Militar, os pratos dispostos sobre a mesa indicavam que Raimundo provavelmente jantou ou pretendia jantar com seu assassino.

?Ele costumava trazer alguns amigos para beber. Suspeitamos que tenha sido morto por uma dessas pessoas, pois a porta não estava com sinal de arrombamento. Além disso, a casa em desalinho mostra que ele lutou antes de morrer e que mais de uma pessoa teria participado do crime. Alguém sozinho não conseguiria amordaçá-lo, amarrar as mãos e os pés dele?, acredita o policial.

Parentes de Raimundo foram até a casa dele quando souberam da tragédia e contaram aos policiais militares que o homem morava sozinho e que sobrevivia de ?bicos? como jardineiro. Raimundo era separado e pai de três filhos.

O investigador Abdala, que estava de plantão na delegacia do Alto Maracanã, ontem, informou que não tinha policiais suficientes para mandar ao local do crime e que as investigações só começarão a ser feitas depois que a família de Raimundo registrar o boletim de ocorrência. Até lá, a autoria do crime continua sendo desconhecida.