Rafaele Cristine Sene, 22 anos, estava desaparecida desde domingo. Ontem à noite, foi encontrada morta, perto de sua casa, dentro de um matagal aos fundos de uma cancha de futebol da Rua Pedro Kogut, na Vila Sandra, Cidade Industrial. Ela foi morta com um tiro na cabeça, tinha uma das mãos amarradas por uma peça de roupa e um pano na boca.

O assassinato teria ocorrido ainda no domingo, pois o corpo já começava a se decompor. Familiares e polícia não sabem quem cometeu o crime, mas desconfiam que tenha algo a ver com drogas. Conforme contou uma amiga da jovem, Rafaele era viciada há pelo menos um ano. Ela foi achada por moradores que percorriam o mato.

Testemunha

Ainda no domingo, de acordo com a amiga da vítima, familiares de Rafaele souberam que ela estaria morta, jogada próximo a um riacho. Como ao pé do matagal passa um córrego, a família procurou-a por lá, mas não encontrou a jovem.

Há cerca de um mês e meio, Rafaele teria testemunhado um crime. “Ela nem chegou a formalizar seu depoimento na delegacia. Eu mesmo investiguei o caso e constatei que os envolvidos estavam “tranquilos’. Não creio que tinham motivo para matá-la. Deve ser mesmo algo com drogas”, analisou o delegado Eduardo Kruger, da Delegacia de Homicídios.

Rafaele morava com a mãe, um irmão e suas duas filhas, de 3 e 5 anos.