Requião participou de reunião
da Operação Mãos Limpas.

O governador Roberto Requião anunciou ontem a realização de uma grande operação de segurança para a região de Foz do Iguaçu, durante a reunião semanal com os integrantes da Operação Mãos Limpas. Está prevista uma série de medidas de policiamento, com a utilização de embarcações, radares e um motoplanador, para vigiar o lago de Itaipu e o Rio Paraná, na fronteira com o Paraguai e a Argentina, com o objetivo de coibir o contrabando, especialmente de drogas e armas.

A operação será feita com a participação da Polícia Federal e com a colaboração da Itaipu Binacional, que adquiriu duas embarcações, uma blindada e outra de alta velocidade, além de um sistema de radar para fazer a varredura dos 40 quilômetros do lago. O governador citou ainda os resultados já obtidos em Foz com a operação concentrada contra furto de veículos. Não houve registro de qualquer roubo nos últimos sete dias, graças ao trabalho integrado das polícias Civil e Militar.

Segundo o delegado chefe da 6.ª Subdivisão Policial de Foz do Iguaçu, Aroldo Davidsom, nos últimos três meses foram desarticuladas 13 quadrilhas especializadas em furto de veículos. O sucesso da operação deveu-se, segundo o delegado, “à estratégia de colocar nas ruas todo o efetivo da Polícia Civil de Foz, que inclui 77 policiais entre escrivães e investigadores, para trabalhar na prevenção desse tipo de crime, junto com a Polícia Militar.”

Capital e invasões

Na reunião de ontem também foi discutida a realização de grandes operações de segurança em Curitiba e Região Metropolitana (RMC), a começar nos próximos dias, para combater todos os tipos de delitos. O governador determinou ainda que toda operação de desocupação de áreas invadidas sejam desencadeadas sob a ordem pessoal do comandante da Polícia Militar, coronel David Pancotti, e acompanhada pelo Ministério Público. Além disso, Requião anunciou que uma equipe de vídeo da Comunicação Social do governo do Estado vai filmar todas as operações, que também serão abertas à imprensa.

As medidas foram tomadas devido aos excessos cometidos por policiais militares na desocupação de uma fazenda em Lindoeste. Requião reafirmou que o uso da força nessa operação foi desnecessário e exorbitante e que atitudes como essa não serão toleradas pelo governo do Estado. Os depoimentos dos policiais já afastados pelo governador foram filmados e encaminhados ao Ministério Público.

Incentivos

Requião anunciou ainda um programa especial de construção de casa própria para beneficiar os policiais civis e militares. A Cohapar já está estudando a implantação de um financiamento especial aos policiais, dentro do programa Casa da Família. O governador garantiu também a concessão de um seguro para casos de morte ou acidentes no trabalho aos policiais, no valor de R$ 100 mil, já em estudo no governo, e disse que ainda esta semana vai apresentar na Assembléia Legislativa as emendas necessárias ao projeto de lei do deputado Ratinho Júnior, para a concessão de uma gratificação, no valor de R$ 100, por arma apreendida pelos policiais.

Durante a reunião, o coronel David Pancotti comunicou ao governador que o planejamento do projeto Povo (Policiamento Ostensivo Volante) está bastante adiantado e em breve serão implantados os primeiros módulos policiais móveis em Curitiba. Também o coordenador da Procuradoria de Investigação Criminal (PIC), Ramatis Fávero, informou que a Procuradoria Geral da Justiça (PGJ) já tomou as providências necessárias à implantação da Promotoria de Investigação Criminal em Foz do Iguaçu e Londrina. O governo do Estado colocou à disposição da PGJ recursos materiais e policiais civis e militares para o funcionamento dessas procuradorias nas comarcas de entrâncias finais no Estado.