O ex-deputado Fernando Ribas Carli Filho será julgado dia 26 de março, na 2.ª Vara do Tribunal do Júri, em Curitiba. Ele é acusado de duplo homicídio qualificado com dolo eventual (quando a pessoa assume o risco de matar), pela morte dos jovens Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Souza, 26 e 20 anos, num acidente de trânsito em 2009. Bêbado e com a carteira de habilitação suspensa por excesso de multas, o ex-deputado estaria a mais de 160 quilômetros por hora na hora da pancada.

A dúvida em torno do processo de Carli Filho era se ele ia responder por duplo homicídio sem a qualificadora (na qual a pena varia entre 6 e 12 anos de cadeia), ou com a qualificadora (que pode dar até 30 anos de prisão se ele for condenado). O ex-deputado será defendido pelos advogados Gustavo Sancadelari e Roberto Brzezinski Neto.

Pancada

O acidente ocorreu na noite de 7 de maio de 2009, na esquina das Ruas Monsenhor Ivo Zanlorenzi e Paulo Gorski, no Mossunguê. Peritos constataram na época que o Passat importado do ex-deputado trafegava entre 161 e 173 quilômetros por hora, quando decolou a quase um metro do chão, no topo de rua desta esquina, e bateu na traseira do Fit onde estavam as duas vítimas. A morte dos jovens foi instantânea.

Além da carteira de habilitação suspensa por diversas multas que levou, Carli Filho teria saído de um jantar onde tomou vinho e estaria dirigindo embriagado no momento do acidente.