Plano para reduzir a superlotação das cadeias, apresentado pela Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (Seju), foi aprovado ontem por representantes da Secretaria da Segurança Pública, Polícia Civil e dos sindicatos e associações dos policiais civis.

Em 45 dias, a Seju absorverá parte dos presos excedentes à capacidade das carceragens das delegacias de Curitiba e Litoral, que estão com mais que o dobro da lotação. A Polícia Civil mantém, por seis meses, suas unidades superlotadas com o dobro de presos e, nos seis meses seguintes, essa superlotação não poderá ser superior a 50% do número de vagas.

A partir de 90 dias, as mesmas quantidades de presos serão mantidas nas delegacias da Região Metropolitana de Curitiba, e, a partir de 120 dias, a mesma redução será aplicada nas delegacias das outras regiões do estado, especialmente Londrina e Maringá, onde o problema é mais grave.

Reconhecimento

Todos os participantes da reunião reconhecem a redução de 67% da superlotação carcerária no Estado. “No início de 2011 até outubro de 2013 a superlotação (excesso de presos) das delegacias foi reduzida de 11.660 para 3.843 presos”, informou o diretor-geral da Seju, Leonildo Grota.