t114201204.jpg

Hermínio da Silva.

Com ajuda da tecnologia, as polícias do Paraná e Santa Catarina capturaram um dos acusados de cometer um assalto na manhã de sábado, contra a família do deputado estadual Élio Ruschi. Em um táxi de Curitiba, a Polícia Rodoviária Federal de Biguaçu (SC) surpreendeu Hermínio Machado da Silva, 23 anos, com jóias e R$ 3.500,00 em dinheiro. Através da fotografia do acusado, enviada por e-mail, a Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) o reconheceu e imediatamente pediu sua prisão em flagrante.

O assalto ocorreu às 7h15 de sábado, em um edifício na Rua Duque de Caxias, bairro São Francisco. Sob o pretexto de entregar uma cesta de café da manhã, três homens armados renderam o porteiro e o obrigaram a subir ao 13.º andar. Provavelmente utilizando o funcionário como "isca", os bandidos entraram no apartamento e renderam mais três pessoas, que seriam filhos do deputado. As quatro vítimas foram trancadas em um dos quartos, enquanto os ladrões arrecadavam entre R$ 30 mil e R$ 40 mil em jóias e dinheiro, além de telefones celulares e outros objetos.

Táxi

No início da noite de sábado, a PRF catarinense abordou Hermínio e mais dois homens e duas mulheres num táxi com padrão de Curitiba. Estranhando as jóias e o dinheiro, os policiais checaram a ficha criminal de Hermínio e descobriram que ele tinha três mandados de prisão – um deles pelo assalto que culminou com a morte do comerciante Modesto Majewski, 57, no Santa Cândida, em 2002. "Os acusados foram fotografados e o material enviado a nós. Como já tínhamos imagens de Hermínio no assalto ao apartamento, o reconhecemos", falou o delegado Rubens Recalcatti, titular da DFR.

As demais pessoas que estavam no táxi não foram reconhecidas no assalto. Todas foram ouvidas e liberadas, com exceção de Cleuza Maria Tristão, acusada de tráfico de drogas e homicídio.