A andarilha encontrada morta, sem roupas, calçando apenas um par de tênis velho, em Araucária, continua sem identificação. Apesar de o principal suspeito do crime ter sido preso momentos depois do assassinato, os policiais da delegacia local continuam as investigações. Há suspeitas que outras pessoas estejam envolvidas no homicídio.

De acordo com o superintende Agostinho Andrade Júnior, o acusado de matar a andarilha a pedradas, Gustavo Roberto Wolff, 22 anos, nega a autoria do crime. Quando foi preso, as botas que calçava estavam sujas de sangue, o que fez a polícia acreditar no seu envolvimento no crime. Porém, para sanar qualquer dúvida foi solicitado ao Instituto Médico-Legal um teste de tipagem sangüínea, para que o sangue encontrado na bota do suspeito seja confrontado com o colhido da roupa da vítima e do próprio cadáver. “O resultado do teste deve sair entre 30 e 60 dias. Mesmo assim, a certeza da autoria do crime é de 90%, além de acreditarmos que outras pessoas estejam envolvidas”, finalizou o policial.

Morte

A mulher foi encontrada morta no início da madrugada de segunda-feira, ao lado de uma igreja, na Rua Irapuru, Jardim Sol Nascente. De acordo com moradores próximos, a vítima é uma andarilha que costumava se abrigar em marquises da região.