A morte do cabeleireiro Sílvio Tomaz de Oliveira, 35 anos, continua sendo investigada pelos policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ele foi morto a facadas na manhã de sábado (24), dentro do salão de beleza que era dono, na Avenida Vereador Toaldo Túlio, no São Braz. A DHPP não descarta a possibilidade de crime passional.

De acordo com o delegado Dirceu Schactae, ontem (25) os investigadores passaram o dia no local para tentar encontrar testemunhas e informações para descobrir o que pode ter acontecido no dia do crime.

“Sabemos que o homem era homossexual assumido, mas ainda não descobrimos se ele tinha um parceiro só ou se mantinha relações com mais de um homem”, explicou. Sílvio era de Campo Largo e tinha o salão em Curitiba há muito tempo.

O delegado espera conseguir mais informações sobre a vida do homem para traçar uma linha de investigação ligada a isso. “A passionalidade é uma das linhas de investigação, mas a confirmação dessa hipótese depende de conseguirmos mais detalhes sobre a vítima”.

No local, os policiais da DHPP praticamente descartaram a hipótese de um latrocínio (roubo seguido de morte), porque não havia sinais de arrombamento, nem de roubo no salão.

Os investigadores também procuram as imagens de câmeras de segurança dos comércios próximos.  Informações podem ser passadas pelo disque-denúncia da DHPP, 0800-6431-121.