Sem identificação,
corpo foi levado ao IML.

O trem apitou no Boqueirão e passou normalmente em seu horário, sem que o maquinista percebesse um cadáver estendido a cinco metros da linha férrea. No final da Rua Carlos Essenfelder, divisa com o Parque Náutico do Iguaçu, o corpo de um jovem desconhecido foi encontrado às 11h de ontem. Ele levou tiros durante a noite, em circunstâncias a serem investigadas pela polícia.

O corpo passou a madrugada na vegetação e foi localizado de manhã por moradores do bairro, que acionaram o posto da Guarda Municipal do Parque Náutico. "Os vizinhos ouviram vários tiros às 22h de segunda-feira", relatou o soldado Dener, do Regimento de Polícia Montada, que atendeu o caso com o colega Cícero, apontando o horário provável do assassinato. A perícia da Polícia Científica contou pelo menos seis ferimentos, no queixo (à queima-roupa), peito e perna.

Sem identificação

O jovem era branco, aparentava 25 anos e estava bem vestido, mas sem o par de tênis, jogado ao lado – fato considerado "intrigante" pelos soldados da PM. Ele não portava documentos nem morava na região, segundo os curiosos. "A única pista da identidade do morto foi dada por um rapaz, dizendo que ele se parecia com um tal de Leandro, do Pantanal", falou o guarda municipal Valdemar Caetano Neto, citando a vila que fica a cerca de um quilômetro dali, no outro lado da Avenida Marechal Floriano Peixoto. O guarda, que trabalha no parque, disse que aquele ponto é freqüentado por usuários de droga.

Policiais da Delegacia de Homicídios colheram no local do crime as primeiras pistas para tentar desvendá-lo.