Ciciro Back
Manoel, o "Negão Psicopata" e Ewertom, tentativa de homicídio.

Nos últimos dez dias investigadores do 11.º Distrito Policial colocaram atrás das grades três perigosos criminosos que agiam na Cidade Industrial de Curitiba, uma das áreas mais violentas da cidade. Entre eles está Manoel Ferreira da Silva Filho, 26 anos, conhecido por "Negão Psicopata". Na delegacia ele confessou ter cometido um homicídio, apesar de ser suspeito de ter assassinado cerca de dez pessoas.

Segundo o delegado Sérgio Taborda, no dia 26 de junho Manoel teria executado Elias dos Santos, de apenas 16 anos, com pelo menos quatro tiros. Os policiais, que já estavam atrás dele, suspeitando de sua participação em outros crimes, o detiveram na última segunda-feira. Foragido da Colônia Penal Agrícola, em Piraquara, há três anos, ele cumpria pena por três homicídios. Manoel foi detido com documentos falsos. "Nós descobrimos que os documentos eram "frios’ e o identificamos como o homem que é acusado de ter praticado vários homicídios, inclusive agindo como pistoleiro, pelo fato de matar a mando de terceiros", explicou o delegado.

Outro

Além dele, os investigadores também detiveram Diego Pontes da Silva, 18 anos, acusado de ter assassinado Anderson Silva da Costa, 16, e baleado Everton da Rocha Cunha, 18. O crime aconteceu no dia 17 de julho quando os amigos caminhavam pela Rua Gal. Nunes Ferraz Sampaio, Vila Sabará. Ao encontrá-los, Diego ordenou que eles levantassem a camiseta, para verificar se estavam armados, e em seguida disparou duas vezes em cada um. Os jovens foram levados ao Hospital do Trabalhador e Anderson, que foi baleado na cabeça e no peito não resistiu aos ferimentos e morreu. Everton conseguiu se recuperar. Diego foi então identificado e preso no último dia 29, quando alegou ter cometido o crime porque estava sendo ameaçado por Anderson.

Também está recolhido na carceragem do 11.º DP, Ewertom Rodrigo Boeno Pinto, 21, conhecido por "Javali". Ele teria atirado em um jovem de 23 anos no dia 23 de julho, na Rua Desembargador Cid Campelo. A vítima havia saído de um bar, em seu Astra, quando foi seguida por Ewertom, que ocupava uma motocicleta Honda Biz, de cor verde. Ewertom atirou na vítima e no amigo dela, porém quando desceu da moto para verificar se os dois estavam mortos tirou o capacete e foi reconhecido pelos rapazes. Mesmo feridos, eles fugiram correndo. Depois de se recuperar, os jovens o denunciaram à polícia, que o prendeu no último dia 5.