Reagir a assalto nunca foi uma boa idéia devido ao alto risco que uma atitude dessas representa. Na tarde de terça-feira, o comerciante Osni Schmidlin, 45 anos, armado com um pedaço de madeira, quis impedir o assalto contra uma loja situada ao lado da sua, na Rua Alberto Bolinger, no Juvevê, e foi baleado. O homem recebeu três tiros da dupla de assaltantes e morreu no Hospital Cajuru, onde havia sido internado.

Ontem, a cena voltou a se repetir mas com um final menos trágico. O jovem Marcos Geovanella, 19 anos, foi ferido com dois tiros na barriga, um deles de raspão, ao tentar impedir que um marginal assaltasse a loja de sua avó. A vítima foi encaminhada ao Hospital Cajuru por socorristas do Siate e depois transferida para o Hospital do Trabalhador.

Assalto

Por volta das 14h20, um indivíduo armado entrou na loja situada na Conselheiro Laurindo, em frente à Fundação de Ação Social (FAS), e intimidou a proprietária do estabelecimento, uma senhora de 73 anos. Enquanto acontecia o assalto, o neto da vítima – que estava no porão da casa arrumando alguns produtos -, abriu uma porta e deu de frente com o marginal. Como o jovem estava segurando um martelo em uma das mãos, teve a idéia de reagir ao assalto em defesa de sua avó. Bandido e mocinho entraram em luta corporal e alguns disparos foram ouvidos. Marcos foi alvejado com dois tiros. O ladrão empreendeu fuga logo em seguida. Comentários no local indicavam que ele estava com um hematoma na cabeça, causado provavelmente pelo golpe de martelo.

A Polícia Militar e o Siate foram acionados e conduziram o jovem ao hospital. Diligências foram realizadas pela área mas nenhum suspeito foi localizado. De acordo com testemunhas o assaltante seria moreno claro, de estatura baixa e, no momento do assalto, vestia camiseta vermelha e bermuda.

Outra vítima de assaltantes

Valéria Biembengut

Também ao reagir a um assalto, o comerciante Paulo César Petrochiski, 48 anos, foi ferido com um tiro no peito. A tentativa de roubo ocorreu por volta das 17h30, na PJ Frios, na Rua Fátima Bark, Pinheirinho, de propriedade da vítima. Após o disparo os bandidos fugiram sem nada levar. O comerciante foi socorrido e conduzido ao Hospital do Trabalhador, onde permanecia internado em estado grave até o início da noite de ontem.

Segundo testemunhas, este foi o segundo assalto que Paulo sofreu este ano. O primeiro aconteceu há aproximadamente seis meses. Na ocasião, reagiu e foi baleado no ombro. Foi socorrido e após alguns dias internado, a bala foi retirada e ele recebeu alta. Desta vez, Paulo não teve a mesma sorte. Armados de revólveres, três homens invadiram seu estabelecimento e anunciaram o roubo. Ao receber voz de assalto, ele tentou impedir os marginais e acabou sendo ferido novamente.

Policiais militares foram acionados, efetuaram buscas na região, mas não localizaram nenhum suspeito. O caso deverá ser investigado pela Delegacia de Furtos e Roubos.