A polícia está próxima de descobrir o paradeiro de Mirlei de Oliveira, 47 anos, acusada de extorsão e de administração de um prostíbulo na Região Metropolitana. A “baronesa” do sexo, como era chamada, vem buscando auxílio em amigos para não ser presa e, anteontem, esteve na casa de um pai-de-santo. De acordo com o delegado Silvan Rodney Pereira, desde que a extorsão a uma ex-prostituta foi descoberta, ela tem se hospedado em vários hotéis de Curitiba e até na chácara de conhecidos, em Ponta Grossa. “Se ela não se apresentar espontaneamente, logo a pegaremos”, garantiu o delegado.

A rede de amigos de Mirlei é grande, segundo M.L. que acusa a mulher de tê-la ameaçado para conseguir dinheiro e a explorado no bordel em que trabalhava. “Espero que, desta vez, essas pessoas não a ajudem e ponham a mão na consciência”, comentou. A denunciante afirmou que ela e outra pessoa têm cópias da agenda de Mirlei, na qual constam nomes de autoridades de várias esferas de poder. “Sou o ser humano mais protegido da Terra”, dizia Mirlei, para intimidar as prostitutas que se voltavam contra ela, de acordo com relato de M.L. Talvez seja essa proteção que a fugitiva vem usando para se esconder da polícia.