Caminhando para a cela, Buba não quis
falar com a imprensa. Ele e a namorada
“Dili” foram detidos com ecstasy e
maconha. A jovem foi ouvida e
liberada,mas o BBB ficou preso.

As câmaras de vídeo que fizeram com que o empresário curitibano Edilson Buba, 33 anos, ficasse nacionalmente conhecido através do programa Big Brother Brasil 4, também flagraram o momento em que ele foi detido no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, às 14h de ontem. Retratado como o BBB romântico, que muitas vezes foi mostrado na casa do programa chorando devido à saudade de sua namorada – Dirliane Siqueira Mattge, 23, a “Dili” – Buba foi preso portando 18 comprimidos de ecstasy – a droga do amor -, aproximadamente 50 gramas de maconha e seis cápsulas de suplemento alimentar. Dirliane também o acompanhava e foi encaminhada com o empresário para a delegacia de São José dos Pinhais. Buba foi autuado por tráfico de droga e, por não ter concluído nenhum curso superior, ficou preso na carceragem da delegacia, sem nenhuma regalia. A namorada, no entanto, foi ouvida e liberada.

Prisão

De acordo com o delegado Osmar Dechiche, na última sexta-feira policiais que trabalham no aeroporto desconfiaram da atitude do empresário, quando ele guardou um pacote dentro do guarda-volumes. Após isso, ele e sua namorada embarcaram num vôo com destino a Belo Horizonte (MG), onde segundo informações, participariam de uma festa com a participação de outro BBB. Desconfiados do que poderia estar escondido no guarda-volumes, policiais federais e civis da delegacia do aeroporto passaram a monitorar os passos de Buba, quando ele pisou no aeroporto de São José dos Pinhais, retornando da viagem. Logo depois de retirar o pacote de dentro do armário, o empresário foi abordado pelos policiais.

Durante a revista, a droga foi encontrada e Buba recebeu voz de prisão. A maconha estava envolta em um plástico e escondida dentro da capa de um óculos. Já os comprimidos de ecstasy estavam em uma pequena caixa de plástico. Na primeira versão apresentada, ele disse que não sabia o que estava dentro do pacote. Contou que na sexta-feira, durante a fila do check in no aeroporto, notou que alguém havia colocado um pacote dentro de sua mala enquanto ele dava autógrafos para seus fãs. Ao ver o pacote e como já estava com o horário apertado para a saída do vôo, resolveu deixá-lo no guarda volumes. Durante o seu interrogatório, porém, essa versão foi alterada. De acordo com o delegado, Buba disse que devido a sua notoriedade, ganha de presente de desconhecidos muitas substâncias entorpecentes (ecstasy) durante as “baladas” que freqüenta. Afirmou que a droga apreendida com ele não foi comprada e que também não pretendia revendê-la. Seria para consumo próprio. Disse também ser usuário de ecstasy e maconha e que a namorada também seria usuária.

Pelo depoimento, a droga apreendida estava em sua casa e ele nem havia notado que a transportava em sua mala. Quando se deu conta, já no aeroporto, resolveu deixá-la no guarda-volumes.

Carceragem

Apesar de Buba afirmar ser usuário, devido a quantidade de droga apreendida, ele foi autuado por tráfico. “Essa mudança na versão não muda a situação dele”, completou Dechiche. Como o crime de tráfico é inanfiançável, o empresário foi recolhido ao xadrez. “Ele não deve ficar misturado aos outros presos, no convívio com marginais. Como na cadeia há níveis de periculosidade, ele deve ficar no xadrez junto com outros presos que cometeram o mesmo delito”, explicou o policial. Não há nenhuma regalia para o preso, pois ele não possui curso superior completo. Pelas primeiras informações ele teria iniciado três faculdades, mas não chegou a completar nenhuma delas.

Apesar de estar preso, Buba – a caminho da carceragem – aparentou estar bastante consciente da situação que deverá enfrentar. Ele e seus advogados não quiseram falar com a imprensa. Os advogados que assistem o BBB são: Rogério Botelho e Caroline Saio Dias. A pena prevista para o crime varia de 3 a 12 anos de reclusão.

Empresário ganhou fama de sensível e chorão no BBB4

Nem Super-Homem, nem Peter Pan, heróis prediletos de Buba, poderão salvá-lo da enrascada em que se meteu. Ele foi o sexto eliminado do Big Brother Brasil 4, derrotado por Juliana, com 66% dos votos.

O surfista e empresário paranaense, proprietário de um badalado bar na Avenida Batel, ficou conhecido por ser um dos homens mais sensíveis e delicados da casa do BBB4. Várias vezes ele foi flagrado chorando diante das câmeras, com saudades da namorada “Dili”. Para aliviar sua dor, Buba recorria aos patinhos de pelúcia que ganhou de presente da namorada.

Agora, ele foi confinado novamente, só que desta vez o paredão é o da delegacia e não há previsão para voltar para casa nem prêmio milionário em dinheiro. A cela que ele ocupa, na cadeia de São José dos Pinhais, também possui câmeras, mas certamente não é tão confortável como a casa em que ficou confinado por mais de um mês. Seus novos colegas também estão longe de ser “saradões” sorridentes, ávidos de fama.

Situação difícil na cadeia

A situação de Buba não é nada confortável, apesar de os advogados terem acompanhado todo o depoimento e tentado descaracterizar o crime de tráfico para o de uso de entorpecentes. A delegacia de São José dos Pinhais está superlotada. Atualmente conta com 132 presos, mas sua capacidade é para 50. Devido a popularidade do detido, os policias demonstraram receio em abrigá-lo. “Vamos dar um jeito. Ele deve ficar no corredor da carceragem com outros presos de menor periculosidade”, afirmou o superintendente Altair Ferreira.

A cela especial, onde ele poderia ser recolhido, também está lotada. São seis presos dividindo um espaço de cerca de 5 metros quadrados. A reportagem da Tribuna conseguiu conversar com alguns desses presos. Entre eles estão estupradores e autores de furto, além de um homem que é preso cível (infiel depositário). Perguntados sobre a possível companhia ilustre que receberiam, eles afirmaram que o empresário não terá regalias. Carlos, 45 anos, disse que mesmo na cela especial, eles têm que fazer rodízio para dormir à noite. “Cada um dorme apenas duas horas”, afirmou.

Especial

A única mulher que está na cela, esperando ser transferida para o presídio feminino, situado em Quatro Barras, afirmou inclusive, que assistia ao programa da Rede Globo, mas que torcia mesmo é para a “Cida”, outra participante do BBB4. “Ele era meio almofadinha”, alfinetou.

A notoriedade alcançada por Buba fez com que ele anunciasse, há pouco tempo, que era pré-candidato a vereador em Curitiba, para as próximas eleições. Além de trabalhar em uma empresa de consultoria ele também é sócio de um badalado bar em Curitiba, na Avenida Batel.