O Batalhão de Polícia Ambiental prendeu, ontem, cinco pessoas e apreendeu 12 armas, dois cães e armadilhas e apetrechos de caça, na Operação Safari. Os detidos, segundo a polícia, atuavam como guias turísticos dos caçadores, dentro da Área de Preservação Ambiental (APA), entre Guaratuba e São José dos Pinhais.

O capitão Durval Tavares, comandante da 1.ª Companhia de Polícia Ambiental, contou que receberam várias denúncias que, na região, ocorria caça profissional. Pessoas de Curitiba e de municípios de Santa Catarina pagavam certa quantia aos chacareiros locais, para que fossem guiados e tivessem a ajuda com os apetrechos. Depois, levavam suas caças como troféu.

Chácaras

A polícia monitorou a região e conseguiu mandados de busca e apreensão, que foram cumpridos em duas fazendas e sete chácaras. Os cinco detidos, que não tiveram os nomes revelados, foram autuados em flagrante por porte ilegal de armas, na delegacia de São José dos Pinhais. Também devem responder por crime ambiental.

Tavares explicou que muitas das armas apreendidas pertencem aos “turistas” ricos, que as deixavam com os chacareiros. Quando queriam caçar, pagavam em torno de R$ 50,00 aos “guias” e lhes davam munições e fumo como agrado.

“Vamos verificar se as armas possuem registro, para chegarmos a seus donos”, garantiu o capitão. Os dois cães de caça apreendidos, bastante magros, devem ser levados à Sociedade Protetora dos Animais.