A 1.ª Vara Criminal de Paranaguá interditou, na tarde da última quarta-feira, a cadeia pública do município. O local, que tem capacidade para 27 detentos, está com 250 presos. Além da superlotação, laudos técnicos do Corpo de Bombeiros e da Vigilância Sanitária reprovaram as condições de estrutura e higiene da cadeia. Pela determinação da juíza Jane dos Santos, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) terá 10 dias para realizar a transferência dos presos excedentes, sob pena de multa diária de R$ 2 mil e de R$ 1 mil para cada preso que extrapolar a capacidade do espaço.

De acordo com o delegado adjunto da 1.ª Subdivisão da Polícia do Interior, Rômulo Contin Ventrella, o problema da cadeia se arrasta há anos. “Além do risco constante de rebeliões e fugas, o prédio é muito antigo e não suporta este contingente de pessoas, isso sem contar que a cadeia fica no Centro da cidade, onde tem escola, asilo e muita gente circulando”, informa. Para o delegado, o ideal seria que fosse construída uma penitenciária no litoral. “As delegacias das cidades litorâneas estão abarrotadas de gente. Não é função da Polícia Civil guardar presos. Acredito que isso resolveria bastante a situação”, avalia.

A assessoria de comunicação da Sesp informou que ainda está estudando para onde os detentos serão transferidos.