Está presa a mulher acusada de envolvimento no assassinato da adolescente Paloma dos Santos Agostinho, 16 anos, encontrada morta na manhã de sábado, numa estrada rural em São José dos Pinhais.

Eva Cássia Ferrarezi Zeglan, 40 anos, era vizinha da sogra da vítima, em Guaratuba, e teria praticado o crime para roubar o bebê recém-nascido da garota. A criança, que tem um mês de vida, foi encontrada na noite de terça-feira, ao lado do altar de uma igreja, em Guaraniaçu, no Oeste do Paraná.

A suspeita escreveu uma carta dizendo que havia comprado o bebê por R$ 1,5 mil, porém a polícia acredita que o bilhete é mentiroso e foi deixado para desvirtuar as investigações. A polícia não descarta a participação de outras pessoas no crime.

Eva foi presa por volta do meio-dia de ontem, em Santa Terezinha do Itaipu, quase na fronteira com o Paraguai, para onde pretendia fugir. Ela foi abordada em um veículo Palio, na companhia de três filhos, e, no carro, havia fraldas, lenços umedecidos e a certidão de nascimento do bebê.

Levada para a delegacia de Foz do Iguaçu, Eva alegou que Paloma queria vender o bebê, diz que agiu apenas como intermediária e nega participação no assassinato.

Carta

No bilhete deixado ao lado do recém-nascido, escrito à mão e em letra de forma, a autora assume ter “cometido um erro” juntamente com o marido e comprado a criança por R$ 1.500 “da mãe que parecia drogada e de um homem também viciado”.

Ela ainda revela que teria comprado o bebê em São José dos Pinhais. “Somente ontem (provavelmente segunda-feira) vi as notícias que a mãe havia sido morta em São José dos Pinhais. Mas quando eu e meu marido saímos de lá ela estava viva e não temos nada a ver com isso. Só queríamos amar esse bebê”, diz o bilhete, que a polícia suspeita ter sido escrito por Eva.

No entanto, a versão não convence a polícia e a suspeita teve sua prisão preventiva decretada. De acordo com o delegado Michael Eymard Rocha França de Araújo, de Foz do Iguaçu, não há dúvidas sobre a participação de Eva no caso.

“Ela mantém residências em Guaratuba e em São José dos Pinhais, conhecia Paloma e atraiu a adolescente afirmando que compraria roupas para o bebê, mas tinha a intenção de ficar com o recém-nascido”, declarou.

Assustada com a repercussão do crime, a mulher teria desistido da criança e a abandonou. O bebê foi encaminhado para um hospital de Guaraniaçu, onde passou por avaliação médica e está sob responsabilidade do Conselho Tutelar. Eva foi trazida ainda na noite de ontem para Curitiba, juntamente com os três filhos, por policiais de de São José dos Pinhais.

Motivos para o sequestro

Redação

A polícia deve revelar hoje o teor do interrogatório a que Eva Cássia Ferrarezi Zeglan, 40 anos, foi submetida na noite de ontem. A expectativa é de que ela tenha contado o verdadeiro motivo do assassinato de Paloma e o sequestro do bebê.

Foi aventada a hipótese dela participar de uma quadrilha que faz tráfico de crianças recém-nascidas e que pretendia vender o bebê no Paraguai, como fazia na década de 80 a quadrilha comandada por Arlete Honorina Victor Hilu, que entregava crianças para casais estrangeiros com documentos falsos e mediante pagamentos em dólares.

Por outro lado, existe uma segunda linha de investigação, em que Eva teria sequestrado a criança para chantagear uma pessoa. Ela teria fingido uma gravidez para conseguir extorquir dinheiro de um suposto amante e precisava da criança para continuar a farsa.

E teria contado com a ajuda de uma segunda pessoa, provavelmente um homem, para assassinar a m&at,ilde;e da criança, dispensar o corpo em São José dos Pinhais e sumir.

Garota levou filho pro teste do pezinho

Redação

Paloma e o filho – que nasceu em Paranaguá -desapareceram na tarde de quinta-feira da semana passada, em Guaratuba, onde a garota morava. Acompanhada da sogra, a adolescente foi levar o recém-nascido a um posto de saúde para fazer o teste do pezinho.

Na volta, a mulher deixou a nora e o neto perto de casa, no Conjunto Cohapar e os dois não foram mais vistos. Após o sumiço, a família registrou boletim de ocorrência sobre o desaparecimento na delegacia.

Dois dias depois Paloma foi encontrada morta, por estrangulamento, em São José dos Pinhais. Quando a vítima foi reconhecida pelos familiares, a polícia de São José dos Pinhais passou a investigar o intrigante caso em conjunto com a delegacia de Guaratuba e o Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride).

Na noite de terça-feira, a criança foi localizada na Igreja Matriz de Guaraniaçu, no centro do município. De acordo com a polícia local, um morador da região encontrou o bebê e avisou o frei responsável pela paróquia.

Os dois levaram o menino ao hospital da cidade. O bilhete encontrado junto ao bebê foi apreendido pela polícia e levado à delegacia de Guaraniaçu. O pai e o marido de Paloma, o pedreiro Jeferson de Góis, 31 anos, prestaram depoimento da delegacia de São José dos Pinhais, na tarde de terça-feira.

O marido foi ouvido como testemunha e não há indícios de que estaria envolvimento no crime. Os dois afirmaram que a jovem não tinha conhecidos em São José dos Pinhais e não sabiam como ela foi parar lá. O corpo dela foi sepultado na manhã de ontem, em Guaratuba.