Alberto Melnechuky
Peças de EcoSport foram encontradas pela PM.

Um desmanche especializado em EcoSport foi localizado por policiais militares do 17.º Batalhão, na manhã de quinta-feira, em Campina Grande do Sul. No local, foram apreendidos três veículos completamente desmanchados, além de um pára-brisa de Pálio e um Ômega intacto, bem como uma chave codificada inteligente da GM, que servia para abrir e fazer funcionar todos os carros da marca. Eduardo de Souza Toginho, 27 anos, foi preso e autuado em flagrante por adulteração de veículo, pelo delegado Geraldo Celezinski, titular da DP local. Outras três pessoas foram indiciadas em inquérito policial pelo mesmo crime e liberadas.

Uma ligação anônima para a Polícia Militar denunciou a existência de uma chácara na Estrada do Imbuial, no bairro com o mesmo nome, que estava sendo usada para desmanchar EcoSport.

Alberto Melnechuky
Eduardo foi preso.

Os policiais chegaram às 9h e encontraram uma EcoSport tomada em assalto dias antes. No meio de um milharal acharam os equipamentos usados para cortar os veículos, como maçarico, gás e macaco. ?Não tinha ninguém no local, contou o soldado Rotta. Como ninguém apareceu, os policiais foram até a Prefeitura, no centro de Campina Grande do Sul, para emprestar um caminhão e recolher as peças, levando-as para a delegacia.

No início da tarde retornaram à chácara. Quando recolhiam os pedaços dos carros – todos tomados em assalto -, o proprietário da chácara chegou em uma motocicleta. Ele tentou fugir, mas foi apanhado. Mais tarde os policiais foram até uma casa nas proximidades e prenderam Eduardo, que estava com uma chave codificada. Ele também foi levado para a delegacia, onde se apurou que é ex-presidiário e foi condenado por furto de veículos. Pouco depois, dois homens chegaram na chácara ocupando uma Kombi. Eles iriam carregar a Kombi com peças retiradas dos carros roubados, para revendê-las em uma autopeças no Boqueirão. ?O Eduardo e um outro nos ofereceram R$ 20 mil cada para esquecermos o assunto?, contou Rotta. A tentativa de suborno só serviu para piorar a situação do preso.

O delegado Geraldo Celezinski explicou que apenas indiciou três acusados, porque não havia flagrante.