Os assassinatos registrados nos últimos dias levaram Colombo ao topo da violência na região metropolitana. Na noite de terça-feira (10) e madrugada de ontem (11), mais duas pessoas foram mortas no município, que atingiu a marca de 61 homicídio no ano, cerca de um a cada dois dias.

O índice é assustador para uma cidade de 213 mil habitantes, oito vezes menor que Curitiba, mas com um terço do número de assassinatos da capital. Das 496 mortes registradas na Grande Curitiba até ontem, 12% aconteceram em Colombo. Enquanto os números aumentam na cidade – 10% na comparação com o ano passado – o discurso das autoridades ser restringe a apontar o tráfico de drogas como responsável pela onda de crimes.

Últimas

A penúltima vítima foi Luiz Alves Rodrigues, morto às 22h40 de terça-feira, dia em que completava 28 anos. O crime aconteceu na Rua Rio Jacuíba, na Vila Nova. O rapaz foi encontrado ao lado de um córrego, com tiros na cabeça. De acordo com o delegado Erineu Portes, da delegacia central de Colombo, Luiz morava no Jardim Ana Rosa e foi se encontrar com conhecidos na vila. Perto do corpo foram encontrados um cachimbo de crack, uma lata de cerveja e uma garrafa de pinga.

“Ele morava com a mãe e o irmão menor e não tinha passagem pela polícia. Segundo a família, ele usava drogas desde os 14 anos e ia com frequência até a Vila Nova para se encontrar com amigos”, contou o delegado. “O rapaz não tinha trabalho fixo e vivia de serviços esporádicos”. Parentes também contaram que Luiz levou um tiro no pé, quatro meses atrás, porém não registrou boletim de ocorrência. Ainda não há pistas dos assassinos.

Desconhecido

Por volta das 4h, moradores da Rua Maria Virgínia Alves de Souza, no Jardim Eucaliptos, encontraram um homem, negro, que aparentava 25 anos, assassinado com um tiro no peito. Ele vestia camiseta preta, calça jeans e tênis marrom. A delegacia do Alto Maracanã aguarda a identificação para avançar nas investigações.