Difícil encontrar algum estabelecimento comercial das ruas Vicente de Carvalho e Luiz França, no Cajuru, em Curitiba, que ainda não tenha sido vítima de assalto à mão armada. Na região, proprietários e funcionários de lojas, lotéricas, farmácias, lanchonetes e panificadoras convivem com o medo e com a sensação de que algo de ruim pode novamente acontecer a qualquer momento do dia ou da noite.

A dona de uma loja de presentes na Vicente de Carvalho, Jaqueline de Oliveira, foi assaltada pela última vez na semana retrasada, às 13h30. Um rapaz armado invadiu seu estabelecimento e levou dinheiro e aparelhos de recarga de telefone celular. “Estou em pânico. Não tenho mais sossego para trabalhar. Me assusto toda vez que alguém entra na loja, pois todos os dias algum comerciante é assaltado aqui na região”, diz.

Também na Vicente, a loja de utilidades onde trabalha a vendedora Kelly Tonelo passou por dois assaltos no último mês de junho, sendo um com três semanas de diferença do outro. Na primeira ocorrência, registrada às 13h, foram levados cerca de R$ 3.800,00 em roupas e calçados. Na segunda, às 9h30, foram R$ 3 mil em produtos como celulares, jogos e câmeras digitais.

“Estava na loja durante os dois assaltos. Uma outra funcionária, que também estava em atividade no momento em que os bandidos chegaram, teve que ser afastada do trabalho devido ao medo. Ela ficou tão apavorada e traumatizada que agora está em casa, com medo de sair e tomando remédios. Nos dias seguintes aos assaltos, ela sentia dores no estômago só de se aproximar da loja”, afirma.

O proprietário de uma farmácia na Luiz França, Mitsuru Fujiharu, conta que já perdeu as contas de quantas vezes foi assaltado. A última vez foi há cerca de vinte dias. Ele reclama da falta de policiamento na região. “Não adianta as viaturas da polícia apenas passarem pelo Cajuru. É preciso que seja investido em policiamento efetivo na região. Hoje, o que ocorre é que os policiais chegam apenas depois que os assaltos já aconteceram”, diz.

PM

Segundo o tenente do 20.º Batalhão da Polícia Militar, que atende a região do Cajuru, Luiz Maywitz, os registros de roubos nas ruas Vicente de Carvalho e Luiz França não são considerados tão altos se levado em consideração o tamanho do bairro em que estão localizadas. Na Luiz França, no primeiro semestre deste ano, foram registradas 63 ocorrências, sendo 13 roubos. Já na Vicente de Carvalho, no mesmo período, foram 5 roubos.

“Pode estar acontecendo de as pessoas não estarem registrando as ocorrências. O registro é de fundamental importância para que possamos deslocar o efetivo para os locais de maior necessidade”, informa. “No Cajuru, temos uma viatura que faz ronda 24 horas, outras três que fazem em horários específicos e trinta motos. Além disso, contamos com o apoio de equipes da Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel) e do GTAM (Grupamento Tático Móvel)”.