Moradores do Sítio Cercado estão promovendo uma ação entre amigos para consertar viaturas da Polícia Militar e conseguir outras benfeitorias para o bairro. A iniciativa está sendo coordenada pelo Conselho de Segurança (Conseg) do bairro, com o apoio de outras 72 associações. Cada bloco da ação entre amigos contém 100 bilhetes, que custam R$ 5 cada. Serão sorteados cinco prêmios com valores entre R$ 2,2 mil e R$ 400, em 1.º de junho.

De acordo com o presidente do Conseg do Sítio Cercado, Elídio Aparecido de Oliveira, a iniciativa partiu da comunidade, que constatou a necessidade de arrecadar dinheiro para ajudar no conserto de viaturas da 4.ª Companhia, do 13.º Batalhão da PM, paradas por falta de manutenção. A decisão foi tomada em assembleia, na quinta-feira passada, no Clube da Gente, no Novo Mundo.

“Sabemos que o governo comprou viaturas novas, mas como muitas ainda estão na garantia, precisam ser consertadas nas concessionárias. No entanto, segundo soubemos, essas empresas estão sem receber do Estado e, por isso, não aceitam fazer os reparos necessários”, disse. O presidente explicou ainda que, como os veículos mais antigos têm manutenção mais barata e também estão parados, a população resolveu se unir para colocar os automóveis de volta às ruas, até que o problema das dívidas seja resolvido.

São 20 mil bilhetes de rifa para arrecadar R$ 100 mil. Do total, 30% serão repassados àqueles que se responsabilizaram pela venda dos blocos (comerciantes e moradores). Os outros 70% serão usados para consertar viaturas e montar a sede do Conseg. “Nosso Conseg precisa de estrutura mais adequada para melhor atender à população do Sítio Cercado e fazer as reivindicações junto aos órgãos públicos”, ressaltou o presidente.

Nota

Em nota, o comando do 13.º BPM esclareceu que “a iniciativa da rifa é única e exclusivamente do Conseg do Sítio Cercado e que a PM não solicitou nenhuma ação entre amigos para conserto de viatura, até porque, o Estado tem órgão específico para licitação e conserto de veículos oficiais”. A nota informa que o presidente do Conseg foi chamado ao Batalhão para esclarecer, hoje, a ação. Elídio afirmou que vai se apresentar na unidade. Sobre a quantidade de viaturas disponíveis para atuar no Sítio Cercado e das que estão paradas por falta de manutenção, assim como o número de policiais militares para atender o bairro, a PM não informou nada. A PM explicou que “as demandas das população do bairro estão sendo atendidas e problemas de manutenção de viatura, quando há, estão sendo resolvidos pelo Governo do Estado”.

“Não podemos ficar esperando”

O comerciante Hélio Nunes de Oliveira pegou um bloco da rifa para comprar todos os bilhetes. “É uma pena termos de fazer isso, porque já contribuímos com impostos, como empresários e consumidores. Mesmo assim, só o meu estabelecimento foi roubado três vezes e arrombado outras duas. Como a polícia não tem condições para arrumar os veículos, o jeito é a população se unir. Não podemos ficar esperando”.

O funcionário de Hélio, Osmar Silvério da Motta, também decidiu ajudar. Ele, que também trabalha em uma lanchonete durante a noite, disse presenciar situações de violência com frequência no bairro. “Não podemos ficar sentados, só reclamando dos problemas. Nosso bairro é muito grande, precisa de mais viaturas para que a população sinta-se mais segura”, disse.