Um tipo de ação tem preocupado os trabalhadores das Unidades de Saúde (US) de Curitiba e deixado a população sem o devido atendimento. Em menos de dez dias, dois postos tiveram o compressor de ar furtado. O equipamento é usado principalmente nas clínicas odontológicas das unidades. Por causa dos roubos, os pacientes ficaram três dias sem consultas.

O primeiro crime aconteceu na madrugada de 27 de setembro, na US Vila Feliz, Novo Mundo. De acordo com trabalhadores, um carrinheiro estourou um dos portões da unidade e retirou o compressor, que fica instalado na área externa do posto. “Uma vizinha observou tudo e chamou a polícia. Mas quando os policiais chegaram, ele já havia sumido. Falaram até que ele deu um tchauzinho para a vizinha”, conta Márcia Nunes, funcionária da área administrativa da unidade.

Estouro

Já o furto mais recente ocorreu no fim de semana da semana passada, na US Santa Quitéria. Como o posto permanece fechado aos sábados e domingos, os funcionários só perceberam a ação dos bandidos na segunda-feira pela manhã. “Quando chegamos, haviam estourado a grade e o compressor havia sido levado. Com isso, o atendimento na clinica odontológica sofreu atrasos. É preciso fazer alguma coisa”, afirma uma funcionária, que não quis se identificar.

Segundo trabalhadores, os alarmes instalados nas unidades de saúde só monitoram as partes internas das instalações. “O alarme só toca quando entram na área interna.

Quando há invasão no lado de fora nada acontece. Como as unidades ficam fechadas nos finais de semana, ficam mais expostas nesse período”, lamenta Márcia.

Frequencia

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) admite que o furto de compressores das unidades de saúde ocorre com frequência. O órgão confirma que os alarmes instalados cobrem apenas a estrutura interna dos postos e que a empresa contratada para vigiar as unidades só age em caso de invasão dos prédios. A SMS já pediu à Secretaria Municipal de Administração para que a cobertura de segurança seja estendida para as áreas externas.

Segundo a Guarda Municipal, os casos de furtos e vandalismo são de conhecimento da corporação e todas as ocorrências são monitoradas. “Fazemos o policiamentos dos postos de saúde ao longo do dia e nas unidades 24 horas mantemos pelo menos quatro homens sempre de prontidão. Nos fins de semana nós mantemos o patrulhamento nas unidades fechadas. Há também mapeamento das ocorrências e temos um espelhamento do monitoramento que a empresa de segurança contratada faz nos postos de saúde”, explica o diretor da GM, inspetor Cláudio Frederico de Carvalho.