Torturado, esganado e esfaqueado, foi encontrado morto no início da manhã de ontem, dentro de um Fusca estacionado na Rua Alécio Masson, no Alto Boqueirão, o cabo da Polícia Militar (reformado) Mário Silvio de Lima, 37 anos.

A vítima, que aparentava ter bem mais idade, por conta de problemas de saúde, estava amarrada em um fio de luz, com uma ponta presa aos pés e a outra em volta do pescoço. Também havia cortes no rosto e sangue na boca do homem.

O Fusca – pintado de vermelho e branco, com diversas adaptações na estrutura e mensagens religiosas – chamou a atenção dos moradores e da polícia. “O carro estava devidamente estacionado, com a chave na ignição, próximo da esquina com a Rua Francisco Derosso”, comentou o investigador Pimentel, da Delegacia de Homicídios.

Testemunhas afirmaram que viram o veículo, parado no local, às 19h de domingo, mas foi somente na manhã de ontem que o corpo foi encontrado. “Estava caído no vão central do carro, entre os bancos traseiros e dianteiros”, disse o policial.

Tortura

Ao retirar o homem do veículo, os investigadores puderam observar a violência a que ele foi submetido. O fio que amarrava seus pés e enrolava o pescoço estava preso a uma barra de alumínio.

“Os matadores provavelmente giraram a barra para pressionar o fio e torturar a vítima”, ressaltou Pimentel. Exames complementares no Instituto Médico-Legal irão apontar se Mário Silvio foi morto por estrangulamento ou pelas facadas. A perícia também irá apurar se o crime aconteceu no local ou se os autores abandonaram o corpo junto com o carro.

O morto não possuía documentos ou pertences no carro que pudessem identificá-lo. Seus familiares fizeram o reconhecimento mais tarde, no Instituto Médico-legal e informaram que foi roubado o notebook do interior do veículo, que estava revirado.

“Provavelmente não se trata de latrocínio (roubo com morte), já que a vítima permaneceu com o relógio de pulso, disse o investigador.  Os familiares do ex-PM deverão ser ouvidos para ajudar nas investigações.