Um cuidador de carros, de 44 anos, foi morto com oito tiros, por dois homens no fim da tarde de ontem, na Rua Marcelino Champagnat, Mercês. Adilson Farias dos Santos chegou a ser atendido pelo Siate, mas não resistiu. Segundo a Polícia Civil, os assassinos correram até a Rua Fernando Simas, onde entraram em um Elantra prata e fugiram.

Câmeras de segurança podem ter flagrado o crime. Adilson foi baleado quatro vezes no peito, levou um tiro no rosto, outro em uma das mãos, um na perna e outro nas nádegas. “Os assassinos usaram duas armas, uma pistola calibre 40 e outra, 380. Os dois muito estavam bem preparados para cometer o crime”, disse o delegado Cristiano Quintas, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Segundo o delegado, o homem tinha passagem por roubo à mão armada. “Antes de começar a cuidar de carros, ele trabalhava como garçom. Nos últimos dias, tinham feito boletim de ocorrência contra ele por ameaça”, explicou.

Insegurança

Os moradores da região aproveitam a imprensa para reclamar da falta de segurança. “Assim como nas prisões, nós também estamos presos, mas em casa. Temos medo de sair até o portão e sofrer um assalto”, disse Luiz Carlos Boscardin, 55 anos. De acordo com o morador, a policia não aparece. “Não temos segurança, não temos polícia. Estamos reféns da criminalidade”.

Outra moradora, que trabalha em um comércio próximo, disse ter sido assaltada mais de 10 vezes. “Chamamos a policia e os policiais não vêm”, lamentou a mulher, que pediu para não ser identificada.

Policiais militares não comentaram as reclamações dos moradores e trataram os profissionais da imprensa com hostilidade. “A imprensa está insuportável”, disse um policial do 12.º Batalhão a outro. Mas, de acordo com moradores, insuportável está a violência na região.