Socorristas do Siate e algumas testemunhas de acusação foram ouvidas ontem, no Tribunal do Júri, sobre o acidente de trânsito que matou três pessoas da mesma família, em setembro do ano passado. O réu, Eduardo Vitor Garzuze, não foi ouvido, apesar de estar presente na sessão. Ele deverá ser interrogado em outra audiência, marcada para 27 de outubro, com uma testemunha do acidente que não compareceu ontem e um médico do pronto-socorro onde Eduardo e as vítimas foram atendidos. O médico não tinha sido chamado, porém o Ministério Público considerou importante ouvir o profissional.

O acidente aconteceu na esquina da Rua Alferes Poli com a Avenida Silva Jardim, no Rebouças. A advogada Gabriele Empinotti, 23 anos, sua mãe, Lorena Camargo, 47, e seu sobrinho, Igor Empinotti de Oliveira, 9 anos, morreram na hora. O único ocupante do carro que sobreviveu foi Jackson Adriano Ferreira, 31, noivo de Gabriele, que sofreu múltiplas fraturas. A expectativa de Brunno Pereira, advogado da família Empinotti, é que, depois da próxima audiência, a quarta durante esta fase de instrução, o juiz decida se manda Eduardo a júri popular.