De um lado da BR-277, no Cajuru, em Curitiba, moradores encontraram, pouco depois das 7h de ontem, o corpo de Adão Viana D?Assunção, 39 anos, caído na Rua Cuiabá, quase esquina com a Rua Salvador. Pouco depois, do outro lado da rodovia, na Rua Violeta Maranhão, no Jardim das Américas, guardas municipais localizaram o Gol placa AJY-5748, pertencente a Adão, todo sujo de sangue por dentro. Um intrincado mistério liga o corpo ao carro e a Delegacia de Homicídios (DH) tenta descobrir o que houve neste trajeto de seis quadras, cortado pela BR-277.

Segundo informações da polícia, moradores do condomínio de prédios na Rua Cuiabá, ao lado de onde Adão foi achado morto, relataram ter ouvido vários tiros durante a madrugada. Apesar disto, todos afirmaram não ter visto nada, nem souberam precisar a hora exata dos disparos. Para o perito Alcebíades da Costa Neto, do Instituto de Criminalística, é possível que Adão tenha sido executado nesta rua, no banco traseiro de seu carro, e o corpo retirado de lá, conforme denunciam algumas marcas de arrasto no chão e lataria do veículo. Depois disso, acredita o perito, o marginal (ou marginais) abandonou o Gol na Rua Violeta Maranhão, local ermo e escuro durante a noite, que dá fácil acesso de fuga à BR-277. (GU)