O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), negou o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso quinta-feira na Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal (PF) no início desta semana. Na noite de sexta-feira, ele foi trazido do Rio de Janeiro à sede da PF em Curitiba, onde estão concentradas as investigações. Ele desembarcou às 20h no terminal de cargas do aeroporto Afonso Pena, num vôo comercial.

A prisão temporária de Costa foi determinada pela Justiça Federal do Paraná pelo fato de terem sido subtraídos objetos dos locais nos quais a busca e apreensão seria realizada pela Polícia Federal.

A Operação Lava Jato foi deflagrada semana passada pela Polícia Federal para desarticular organizações criminosas suspeitas de lavagem de dinheiro em diversos estados.

Houve, inclusive, a prisão de um doleiro paranaense. Morador em Londrina, Alberto Youssef, considerado um dos líderes do esquema, foi preso no Maranhão.

De acordo com informações obtidas pela Polícia Federal, os grupos investigados teriam registrado comunicações de operações financeiras atípicas num montante que supera R$ 10 bilhões.