Depois de três meses de investigação, o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) cumpriu quatro mandados de busca e apreensão contra os bens de três pessoas, suspeitas de desviarem mais de R$1 milhão de uma usina em Umuarama, noroeste do Estado.

Renato Aparecido Rondis, 24 anos, funcionário da usina, que seria o chefe da quadrilha, seu colega de trabalho Fábio dos Santos, 27, e José Alessandro Gonçalves, proprietário do Auto Posto Cafezal já tiveram a prisão preventiva solicitada. O trio foi indiciado por estelionato, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal.

Segundo o delegado o delegado Francisco Caricati, os três indiciados passaram a ser investigados, depois que o proprietário da usina de álcool e açúcar, localizada em Perobal, perto de Umuarama, desconfiou que havia alteração dos estoques e que funcionários estariam furtando combustível.

“O proprietário da usina automatizou o sistema de abastecimento dos caminhões-tanque, que realizavam o transporte para os postos, e confirmou o grande desvio”, explicou o delegado.

Fraude

O delegado disse também que os suspeitos faziam o desvio de combustível em horários de pouco movimento ou nos fins de semana. “Os funcionários faziam a máquina dar pane para liberar combustível, sem gerar informações para a contabilidade da empresa e sem a emissão de nota fiscal. Todo o álcool desviado ia para o caminhão-tanque do dono do posto da cidade”, completou Caricati.

Posto

O combustível roubado era distribuído em vários postos e o lucro era dividido. Outros dois ex-funcionários da usina também estariam envolvidos no esquema, mas um deles morreu e o outro colaborou com as investigações e, por isso, não houve pedido de sua prisão temporária.

O inquérito foi finalizado pela polícia e encaminhado à Justiça. Foram apreendidos um Omega do proprietário do posto e uma camionete e um Astra dos funcionários.