A disputa pelo comércio de drogas pode estar por trás do assassinato de Sérgio Trigo da Costa, 23 anos. Morto a tiros dentro de um Gol, em 28 de abril, no Centenário – Cajuru -, ele era investigado pela Divisão de Narcóticos (Dinarc) e apontado como traficante.

A Dinarc tem informações de que Sérgio estaria revendendo drogas no Cajuru, conforme revelou Neimir Cristóvão, superintendente da Delegacia de Homicídios, responsável pelo esclarecimento do assassinato. “Alguma divergência relacionada a esta atividade é o provável motivo do crime”, supôs Neimir.

Ao volante

Quando foi morto, Sérgio levava no carro uma adolescente, que acabou recebendo um tiro no braço. A garota já foi ouvida, mas, de acordo com Neimir, pouco contribuiu para a identificação dos assassinos. “Ela sabia que Sérgio traficava drogas na região em que morava”, disse o policial. Da mesma forma, parentes da vítima não souberam fornecer nomes de suspeitos.

Sérgio também respondia inquérito no 6.º Distrito Policial por um assassinato cometido em 2000. A hipótese de vingança por causa deste crime chegou a ser cogitada, mas perdeu força com a descoberta de que ele era traficante.

Crime

Sérgio Trigo foi assassinado com cinco tiros às 22h40 de domingo, na Rua Filipinas, Vila Centenário, Cajuru. O garupa de uma motocicleta acertou um tiro na vítima, que dirigia o Gol vermelho AHV-2590. O carro bateu no muro de uma casa e em seguida um automóvel, cujo modelo ainda não foi descoberto, parou ao lado do Gol. Uma pessoa desceu e atirou várias vezes.