A Delegacia de Homicídios descobriu que o documento encontrado ao lado de um rapaz executado no Parolin não era da vítima. A identidade está em nome de Diogo Siqueira, 25 anos, que registrou boletim de ocorrência por extravio de documento.

A polícia não descarta que ele tenha envolvimento no homicídio, já que há meses não dá notícias à sua família. O investigador Carlos Henrique conta que a família de Diogo foi até o Instituto Médico-Legal (IML) e não reconheceu o corpo.

O rapaz assassinado na Rua Professor Plácido e Silva, na noite de 4 de agosto, continua sem identificação. Ele vestia bermuda e camiseta e blusa de moletom verde.

Antecedentes

De acordo com o investigador, em junho, a família de Diogo registrou boletim de ocorrência de seu desaparecimento na Delegacia de Vigilância e Capturas. Enquanto era procurado pela ex-mulher, no mês seguinte, Diogo, registrou a perda do documento. Por Diogo não ter ido à Delegacia de Homicídios buscar seu documento ele é considerado suspeito do crime.

O rapaz tem passagem por roubo. Ele foi preso em 2009 e foi liberado em junho do ano passado. Três dias antes de registrar o extravio de documento ele foi pego numa abordagem da Polícia Militar, no centro, suspeito de furtar o GPS de um veículo. Quem tiver informação do paradeiro de Diogo deve entrar em contato com a DH pelo telefone 3360-1400.