Airton e Moisés estão agindo na cidade.

Uma advogada de 72 anos foi vítima de dois vigaristas, ao meio-dia de quarta-feira, sendo extorquida em R$ 15 mil. Os golpistas já foram reconhecidos por ela no álbum de fotografias da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) e tiveram suas prisões preventivas solicitadas à Justiça pelo delegado Rubens Recalcatti. Segundo o policial, os dois homens, que foram identificados como Airton da Silva e Moisés Ribeiro, estão aplicando vários golpes em Curitiba e são procurados pela polícia.

A mulher caminhava pelas ruas do Centro Cívico quando foi abordada por um dos indivíduos, com a desculpa de que procurava uma lotérica. A vítima parou para conversar e foi obrigada a entrar em um carro de cor escura com outro indivíduo dentro. Mediante uma série de ameaças, inclusive de morte, ela foi levada até uma agência do Banco Itaú, na Avenida Anita Garibaldi, Ahu. Um dos marginais desceu do carro junto com a mulher e a acompanhou até a entrada da agência. Somente ela entrou, enquanto o marginal acompanhava seus movimentos. Temendo futuras represálias e que as ameaças fossem cumpridas, a advogada retirou a quantia solicitada pelos marginais e a entregou. Em seguida a dupla desapareceu.

Horas mais tarde a vítima foi prestar queixa na delegacia e através do álbum de fotografias reconheceu os golpistas. Segundo o delegado, num primeiro momento o caso parece ser de seqüestro-relâmpago, mas devido as ameaças, ele considerou o crime como extorsão. Os golpistas possuem antecedentes criminais por estelionato, conforme a polícia.