Eloésio e Ageu foram para trás das grades.
Outros criminosos continuam foragidos.

Exatamente uma semana depois de três mulheres serem assassinadas em Araucária, policiais do Cope (Centro de Operações Especiais) identificaram os autores do crime. Dois deles, Eloésio Alencar Matias, 37 anos, e Ageu Rodrigues Maciel, 19, já estão atrás das grades desde a semana passada. Os outros, Claudinei Rolim Subitio, o “Nenezão”, 29, e Ricardo Alexandre Nogueira, mais conhecido como “Peixe”, 26, continuam foragidos.

O delegado Roberto Fernandes apresentou na tarde de ontem os detidos. Ricardo Alexandre há pouco tempo deixou o xadrez da Delegacia de Araucária, onde estava preso por tráfico de drogas. Ele foi autuado em flagrante no dia 29 de maio deste ano e saiu no dia 4 de junho. Já Claudinei tem passagem por homicídio e segundo a polícia foi ele quem puxou o gatilho.

A equipe do Cope, em conjunto com policiais de Araucária, apurou que Eloésio foi quem forneceu drogas para as vítimas: Jucilene Ferreira de Melo, 40 anos, e às irmãs Luciana de Lima, a “Lu”, 23, e Jusilente Aparecida de Lima, 31, na casa dele, na Cidade Industrial. “Ele vendia drogas e foi quem `chapou’ as mulheres para entregá-las a Claudinei, Ricardo e Ageu”, contou o delegado. “Eu apenas alugava um quarto para as três. Elas usavam drogas, mas traziam de fora”, argumentou Eloésio. Ele garante que não tem participação direta no crime. “Eu devo alguma coisa porque elas estavam na minha casa. Fui eu quem abri o portão para que saíssem”, acrescentou Eloésio.

Execuções

As mulheres deixaram a casa de Eloésio em um Opala marrom, de propriedade de Ageu, que, segundo a polícia, seria o encarregado de levar as vítimas para o local da execução. O carro quebrou e as vítimas embarcaram no Gol vinho de Claudinei. “Eu não sabia que eles (Claudinei e Ricardo) pretendiam matá-las. Eles me chamaram para tomar uma e fomos até de madrugada. De manhã, foram até o matagal e disseram que ia usar drogas. Como não sou viciado e estava com sono fiquei no carro dormindo. Eu só tenho passagem pela polícia por comprar objeto roubado (receptação)”, justificou Ageu. Ele disse que no dia seguinte foi até um bar em companhia de Claudinei e Ricardo Alexandre e viu a fotografia das três jovens mortas na Tribuna. “Eu imaginava o que tinha acontecido, mas eles não comentaram nada comigo. Quem desceu do carro foram as três mulheres, o Claudinei e o Ricardo. Depois os dois voltaram, mas eu nem perguntei nada”, acrescentou Ageu, que foi preso na tarde de quinta-feira.

O delegado disse que o motivo do crime é que os acusados estavam planejando crimes e as mulheres sabiam detalhes. Eles temiam que elas os denunciassem. Por este motivo resolveram executá-las. Roberto Fernandes disse que as investigações continuam no sentido de prender Ricardo Alexandre e Claudinei que estão com mandados de prisão decretados pela Justiça de Araucária. “Temos informações que o autor dos disparos foi o Claudinei”, salientou o policial. Luciana foi morta com um tiro na nuca e outro na perna. Jusilene e Jucilene foram alvejadas com dois tiros na boca. Elas foram executadas às 9h da , manhã do dia 2, em uma clareira da Fazenda Palmital, na localidade do mesmo nome, em Araucária.