A descoberta de um cadáver em decomposição, na tarde de sexta-feira, trouxe à tona um caso de triplo homicídio em Campina Grande do Sul. Gilmar Alves de Arruda, 16 anos, é a provável identidade da vítima encontrada numa chácara na localidade de Taquari, zona rural do município. O corpo estava a 200 metros do local em que o tio, João da Cruz Arruda, 36, e o amigo Railton de Jesus Assunção, 17, foram executados há um mês e meio.

Gilmar estava desaparecido desde 4 de agosto. Ele, o tio e Railton moravam na divisa de Campina Grande do Sul com o Estado de São Paulo e estavam hospedados na casa de parentes no Jardim Paulista, perto do centro do município. João havia vendido um terreno e tinha cerca de R$ 2 mil em mãos para tentar comprar uma Kombi. O negócio não foi fechado e os três desapareceram quando voltavam para casa.

Executados

Os corpos de João e Railton foram encontrados dois dias depois, lado a lado na chácara em Taquari, a cerca de três quilômetros da BR-116. Ambos estavam com o rosto coberto pela camisa, numa provável tentativa de se proteger dos disparos. Os cadáveres foram arrastados para que ninguém que passasse pela Estrada do Taquari os avistasse. Parentes e polícia fizeram buscas na região nos dias seguintes, mas somente agora a terceira vítima foi encontrada. O dinheiro também sumiu.

O corpo que supostamente é de Gilmar foi localizado por um lenhador, num ponto coberto pela vegetação. A ação do tempo e de animais o deixou praticamente reduzido a uma ossada – parentes reconheceram as roupas que o menor usava no dia do desaparecimento. O Instituto Médico-Legal poderá identificá-lo através da arcada dentária e determinar a causa da morte. Suspeita-se que o adolescente tentou fugir após ter sido baleado, mas não resistiu e caiu já distante das outras vítimas.

Até então, uma das hipóteses consideradas pela polícia era de que o próprio Gilmar tivesse matado o tio e o amigo para ficar com o dinheiro. Segundo o investigador Castelan, da delegacia de Campina Grande do Sul, a principal possibilidade é de assalto. “Possivelmente os três pegaram uma carona com alguém que sabia do dinheiro e os matou para roubar”, afirma. Outra linha de investigação aponta para uma vingança. Por enquanto, não há suspeitos do crime.