As manchas nas mãos de Ilson das Graças Andrade, 34 anos, alertou a polícia para a possibilidade de ele ser o mesmo homem que cometeu vários estupros, na região dos bairros Xaxim e Sítio Cercado. Ele é portador de vitiligo (doença não contagiosa que causa manchas na pele), e foi preso na tarde de ontem, na Rua Cid Marcondes de Albuquerque, minutos depois de abusar sexualmente de uma mulher, dentro de uma loja. Ele foi detido por populares e agredido até a chegada da Polícia Militar, que o encaminhou para o 10.º Distrito Policial, onde foi autuado em flagrante por estupro. A vítima foi encaminhada para o hospital para ser medicada e deve ser ouvida em seguida.

Segundo testemunhas, o crime aconteceu por volta das 15h, quando Ilson passava pela rua movimentada e, da calçada, viu a mulher sozinha na loja de presentes. Ele entrou e disse que queria comprar maquiagem para presentear a esposa, no Dia Internacional da Mulher. Quando a vítima virou-se, ele a agarrou pelas costas e sob ameaças de morte, a arrastou para os fundos da loja, atrás de um balcão. Em poucos minutos, ele arrancou as roupas da vítima e abusou sexualmente.

Enquanto a mulher, machucada, se recuperava da violência, ele vestiu as calças e saiu tranquilamente pelas ruas do bairro. No entanto, ela conseguiu pedir ajuda e em poucos minutos ele foi detido pela população.

Rapidamente os soldados Enelzir e Edmilson, do 13.º Batalhão da Polícia Militar, chegaram no local e conseguiram resgatá-lo com vida. O estuprador foi levado ao 10.º Distrito Policial e, quando estava sendo ouvido, o delegado Marco de Goes viu as manchas nas mãos do detido e logo associou o estupro da comerciante com outros casos registrados nas imediações, em que as vítimas descreveram manchas nas mãos do abusador.

“Temos várias denúncias que estão sendo investigadas que apontam que o autor dos crimes de violência sexual e estupro age em estabelecimentos comerciais, atacando mulheres que trabalham sozinhas, exatamente como aconteceu nesta tarde”, explicou o delegado. Ele disse também que, em muitos casos, as vítimas ficam com medo, ou vergonha de fazer a denúncia, mas é fundamental para que os culpados sejam presos e paguem pelos crimes. “Qualquer pessoa que reconhecer esse homem, inclusive as pessoas que já procuraram a policia anteriormente, devem ligar para o número 3386-8350. Denúncias anônimas também são bem vindas”, completou o delegado.