A vida desregrada e provavelmente o vício em crack transformaram para pior a vida de Edemar da Silva, 40 anos, que chegou a ser sargento da Polícia Militar, mas foi excluído da corporação por sua má conduta. No início da manhã de sábado, ele foi morto com três tiros no peito, quando estava no ponto de ônibus da Rua Cid Marcondes de Albuquerque, no Pinheirinho.

Quando foi baleado, segurava em uma das mãos um cachimbo para fumar crack. Há um ano ele já tinha sido baleado e a polícia não descarta a possibilidade de que os autores do atentado sejam os mesmos do homicídio.

Este foi o quarto assassinato registrado no bairro Pinheirinho somente em julho.