Foto: Alberto Melnechuky

Execução ocorreu no Jardim Itália, em Santa Felicidade.

Prevendo que seria assassinado, o ex-presidiário Miguel Jorge Negossek, 41 anos, pediu para a namorada sair do bar onde estavam e dar uma volta. Minutos depois dois homens invadiram o estabelecimento, na Rua Dinart Caprilhone esquina com a Rua José Maria Vabeski, Jardim Itália, em Santa Felicidade, e executaram Miguel. O crime ocorreu às 21h de segunda-feira. Atingido por nove tiros, na cabeça e no peito, o ex-presidiário tombou morto. Os criminosos ainda atiraram contra seis pessoas que estavam no bar, mas não acertaram nenhuma delas.

A ação criminosa começou às 20h15, quando dois homens com camisetas amarradas no rosto e empunhando pistolas calibre ponto 40 renderam um homem de 62 anos, que chegava em casa, na Onofre Pedro dos Santos. Eles ordenaram que ele entregasse a chave do Gol, modelo antigo, placa CDC-6593, os documentos do veículo e a carteira, que continha R$ 60,00 e documentos pessoais. ?Enquanto um tirava o carro da garagem, o outro colocou a arma na minha cabeça e me levou até a cozinha, ordenando que eu entrasse e ficasse quieto?, contou a vítima. ?Estou bastante assustado com isso. Aqui era um bairro tranqüilo, agora tem muito roubo de carro e casas?, disse a vítima, que prefere não ser identificada.

Execução

Mal sabia ele que os marginais queriam seu carro para executar um desafeto. Perto dali, Miguel Jorge tomava uma batida de limão com a namorada. Com o Gol roubado, a dupla passou várias vezes em frente ao bar. Como se já soubesse o que estava prestes a acontecer, Miguel Jorge pediu para que a mulher fosse em outro estabelecimento, comprar espetinho. Antes ele comentou que achava que os homens do Gol estavam atrás dele. A mulher sugeriu que fossem embora, mas Miguel Jorge não concordou e avisou: ?Eles irão atrás de mim?.

Assim que ela saiu, os homens estacionaram o Gol em frente ao bar e desceram com as pistolas em punho. Assustados com os roubos que acontecem no bairro, os fregueses ergueram os braços. Porém, os criminosos apenas miraram em Miguel Jorge que estava sentado. ?Eles deram uns nove tiros. Depois que ele caiu. Atiraram em nós. A bala passou voando perto do meu cabelo. Senti só o vento. Depois perfurou o balcão?, contou um cliente. ?Aos 58 anos nunca pensei que uma coisa dessas pudesse acontecer comigo?, comentou o freguês. ?É um absurdo. Alguém tem que tomar providências. É uma coisa inexplicável?, acrescentou o homem, lembrando que o dono do veículo tinha acionado a polícia sobre o roubo do carro meia hora antes. Mesmo assim, os bandidos continuaram dando voltas com o carro roubado perto do local do assalto. Depois da execução, abandonaram o veículo na Rua João Batista Valle, a poucas quadras dos locais do roubo e do homicídio.

Drogas

Miguel cumpriu pena de cinco anos e há três meses estava em liberdade provisória. ?Apuramos que ele voltou para o tráfico. Já tinha passagem por este crime, por furto e uso de entorpecentes?, comentou o tenente Smaniotto. O caso deverá ser investigado pela Delegacia de Homicídios.