Tiago foi derrubado da
bicicleta com dez tiros.

O passeio de bicicleta vespertino teve desfecho trágico para o adolescente Tiago Fernando da Silva, 16 anos. Por volta das 15h30 de ontem, ele foi assassinado com vários tiros de pistola calibre 380, na Avenida Marginal à BR-476, sentido Porto Alegre, em frente ao estacionamento de um hipermercado, no bairro Prado Velho. A vítima não teve chances de defesa e sequer tempo de receber atendimento médico por parte dos socorristas do Siate. O motivo do crime ainda será apurado pela Delegacia de Homicídios, mas, devido à quantidade de tiros, há suspeitas de um acerto de contas.

De acordo com dados obtidos junto aos policiais militares do Regimento da Polícia Montada (RPMont) e da Polícia Rodoviária, que prestaram os primeiros atendimentos a situação, uma motocicleta vermelha, de pequeno porte, se aproximou da vítima e um dos dois homens que ocupavam o veículo sacou a arma. Na seqüência, foram disparados pelo menos dez tiros contra o rapaz, que o atingiram nas costas e no peito. Várias cápsulas de projéteis calibre 380 foram localizadas pelos policiais ao redor do corpo, caído ao lado da bicicleta. Nada foi levado do rapaz, que não portava documentos que pudessem identificá-lo. Em suas vestimentas, apenas um cartão telefônico e uma carteira de cigarros foram encontrados.

Fuga

Depois dos disparos, os assassinos fugiram tomando rumo ignorado. A vítima foi identificada por parentes, que não quiseram emitir comentários sobre o ocorrido. Investigadores da Delegacia de Homicídios também estiveram no local à procura de mais informações sobre o caso. A exata quantidade de tiros que atingiram Tiago somente será conhecida no IML, depois da necropsia. Em avaliação preliminar, a perita da Polícia Científica contou dez perfurações, mas que podem corresponder à entrada e saída de projéteis.

Rodrigo, um dos curiosos que acompanhava o trabalho policial, informou que o adolescente havia emprestado sua bicicleta minutos antes de ser morto, para visitar um parente. “Emprestei a bicicleta, mas não sabia se ele tinha rixa com alguém. Se estivesse junto poderia ter morrido também”, comentou. Segundo Rodrigo, ele conhecia Tiago há pouco mais de uma semana, período em que a vítima passou a freqüentar o bairro Guabirotuba.