Depois de passar boa parte de sua vida usando droga, Suelidia Rocha Verdan, 41 anos, perdeu a batalha para o tráfico, na madrugada de ontem. Ela foi executada com um tiro na cabeça, ao lado do trilho do trem, na Rua Alberto Gesser, que separa as vilas Trindade e Autódromo, Cajuru.

Vizinhos comentaram que, por volta das 3h, ouviram tiros, mas não tiveram coragem de sair de casa. O corpo só foi encontrado no início da manhã de ontem. Mãe de três garotas e um menino, Suelidia saiu de casa na noite de quinta-feira para tomar cerveja e não voltou mais, conforme apurou o soldado Marcelo, do 20.º Batalhão da Polícia Militar.

Ao lado de suas irmãs, Magda, 19 anos, contou que foi criada, acompanhando a luta da mãe contra o vício no crack. Segundo ela, Suelidia começou a usar droga aos 20 anos e, desde então, foram várias as tentativas da família para salvar a mulher.

Internação

Recentemente, parentes conseguiram juntar dinheiro e internaram Suelidia numa clínica, no interior de São Paulo. A mulher, porém, teria desobedecido algum protocolo e foi obrigada a deixar o centro de reabilitação e voltar para casa.

Na semana passada, a jovem contou que um traficante invadiu sua casa ameaçando Suelidia, que estaria devendo a ele. Magda tratou de pagar o homem, porém a quantia não foi suficiente para poupar a vida da mãe.

Magda disse que, na noite de quinta-feira, procurou pela mãe quando notou sua demora em voltar para casa, mas só ontem, quando ia para o trabalho, por volta das 7h, foi avisada da morte de Suelidia.

Conforme a polícia, de cinco a seis tiros foram disparados pelo assassino. Um dos disparos atravessou a mão da mulher, atingindo sua cabeça. Investigadores da Delegacia de Homicídios estiveram no local e procuram pistas que levem ao autor do crime.