Uma mulher que saiu para passear com o cachorro, na manhã de ontem, desconfiou do alvoroço de urubus num descampado no final da Rua Marcos Bertoldi, nas Moradias Rio Bonito, Campo de Santana. Quando se aproximou dos bichos, avistou o corpo de um rapaz morto a tiros prestes a ser devorado.

Policiais do 13.º Batalhão da PM foram acionados por volta de 8h30. Quando chegou ao local, a equipe encontrou vários objetos, entre eles um isqueiro e uma latinha de cerveja (material usado para consumo de crack), jogados ao lado do corpo.

Havia extratos bancários e um recibo em nome de Leandro Venera Barbosa, 25 anos, que seria morador do Tatuquara. De acordo com a perita Jussara Joeckel, o rapaz foi baleado na cabeça e no braço, e a arma usada no crime foi uma pistola calibre ponto 40.

O soldado Gruber contou que os vizinhos escutaram cerca de três a quatro tiros durante a madrugada. “Como os documentos não foram levados, tudo indica que foi uma execução.

A lata de cerveja não tinha furos, portanto não foi utilizada para fumar crack”, deduziu o policial. Pelos indícios, o soldado suspeita que o rapaz foi atraído até o terreno para ser executado. “Aparentemente, um acerto de contas motivou o crime’, sugeriu.

Duas mulheres que moram próximo ao descampado não reconheceram a vítima. Elas relataram que vivem com medo de sair de casa. “Esse lugar está abandonado pela prefeitura, está virando um lixão. Abandonam e queimam carros roubados. Achamos cadáver direto aqui”, reclamou uma moradora que não quis se identificar. “Além disso, o lugar é frequentado por usuários de droga que usam o terreno como motel”, disse a mulher indignada.