Um homem foi detido por realizar um sonho de infância, sem ter preparo para isso. João Nespolo, 56 anos, foi denunciado por exercer ilegalmente a profissão de dentista, provavelmente por clientes que realizaram tratamentos dentários e descobriram que ele não tinha a formação adequada.

As denúncias anônimas foram feitas pelo telefone 181 e chegaram até a equipe do 10.´ Distrito Policial. Um investigador se passou por cliente e foi ate o consultório na Rua Marte, Sitio Cercado.

Assim que João se apresentou como dentista, foi preso. Vários equipamentos que ele utilizava para atender os clientes foram apreendidos, além de cartões de visita.

Na delegacia, João foi reconhecido por outro investigador, que foi atendido pelo falso dentista quando criança. Na ficha criminal, João já tinha outras duas acusações pelo mesmo crime, em Imbituva e em São João do Ivaí, interior do Paraná.

No processo aberto na última cidade, foi extinta sua punibilidade. João foi autuado em flagrante pelo artigo 282 do Código Penal, que prevê pena de 6 meses a 2 anos para quem exercer ilegalmente a profissão de dentista. Ele assinou termo circunstanciado e foi liberado.

Consultório

Para a imprensa, o detido declarou que ser dentista era um sonho de criança. O exercício da função ele teria aprendido com profissionais quando jovem. João garante que atuou como dentista há mais de 30 anos, mas agora apenas montava um consultório para contratar um verdadeiro dentista e atuar como auxiliar.

Questionado sobre uma agenda apreendida pela polícia que mostra atendimentos feitos desde 2009, João confessou que atuava apenas como protético, e ganhava cerca de R$ 600 por mês. A principal fonte de renda dele, entretanto, seria a administração de uma loja e uma mercearia.