A polícia espera o depoimento de familiares de Luciano Rohden, 32 anos, para dar seqüência às investigações sobre a morte do comerciante. Luciano foi baleado dentro do estabelecimento onde trabalhava (empresa que fabrica componentes de madeira) na tarde de segunda-feira e chegou a ser encaminhado ao hospital de São José dos Pinhais, onde morreu.

De acordo com o superintendente da delegacia local, Everson Haisi, a família deve ser ouvida nos próximos dias e ele espera obter informação suficiente para elucidar o crime. Até o momento não há pistas concretas sobre os matadores.

Atentado

Segundo os levantamentos da polícia, no dia do crime a vítima foi visitada pelos matadores por três vezes, no período da manhã, no almoço e à tarde, quando aconteceu o crime. Para fazer contato com Luciano, dois marginais chegaram à empresa e deram a desculpa de que estariam a procura de emprego e precisavam falar com o responsável. O comerciante os atendeu normalmente e conversaram. No horário do almoço, a dupla retornou mas não encontrou a vítima. À tarde, Luciano foi pego de surpresa no escritório e recebeu disparos no peito e foi agredido. Ao tentar escapar, o comerciante recebeu um disparo na cabeça. Os matadores saíram do local e entraram em um Voyage de cor escura tomando rumo ignorado. A hipótese de latrocínio foi descartada, pois aparentemente nada foi levado do local.