Alberto Melnechuky
Wagner seria usuário de drogas, segundo informado à polícia.

Wagner Martins Tomé, 30 anos, foi assassinado na casa de uma vizinha, na Rua Aparecida Feliciano Caetano, Vila Modelo, na CIC, por volta de 21h40 de quarta-feira. ?Não sabemos se ele foi na casa dos vizinhos fugindo do assassino ou se ele saiu de casa para conversar com os amigos e foi seguido pelo matador?, explicou o investigador Pimentel, da Delegacia de Homicídios.

Wagner foi morto sentado no sofá da sala, com quatro tiros de revólver calibre 22, disparados à queima-roupa. Próximo ao corpo havia alguns pedaços de tijolo quebrado. ?Exames complementares no IML vão comprovar se ele também foi agredido?, completou.

Briga

A perita Jussara, do Instituto de Criminalística, disse que o rapaz foi atingido com três tiros na orelha esquerda e um no peito. Segundo ela, a porta da casa não tinha sinais de arrombamento. ?Encontramos sinais de briga, só não sabemos se foi antes ou depois do crime?, disse a perita.

Alguns moradores disseram que Wagner costumava andar armado e freqüentemente agredia a sua companheira. Ele não tinha filhos e trabalhava em um ferro-velho. Familiares informaram a investigadores da DH que Wagner era usuário de drogas e, para sustentar o vício, envolvia-se sempre em pequenos furtos na região. Também disseram que ele estaria devendo para o fornecedor de entorpecentes, o que leva a delegada Iara Dechiche a investigar um possível acerto de contas.