O adolescente Andrei da Silva Santos, 15 anos, e seus familiares registraram queixa, ontem pela manhã, na sede do 17.º Batalhão da Polícia Militar, sobre a agressão que o jovem diz ter sofrido de policiais, na segunda-feira. Ele reconheceu quatro policiais nos álbuns de fotografias do batalhão. Dois deles teriam espancado o garoto e os outros, apenas assistido.

O tenente-coronel Milton Isaack Fadel Júnior, comandante do 17.º BPM, explicou que inquérito policial militar (IPM) foi instaurado para apurar o caso. Ele diz que os policiais identificados pela vítima também serão chamados a depor. Eles permanecem trabalhando normalmente, mas poderão ser afastados caso se constatem os abusos.

Na Polícia Civil um inquérito também foi instaurado. Segundo o superintendente Marco Aurélio Furtado, a polícia irá aguardar o laudo do exame de lesões corporais -que deve sair entre oito e 10 dias – para depois intimar todos os envolvidos a depor.

Agressão

Policiais do 17.º BPM procuravam quatro indivíduos que assaltaram um supermercado em Almirante Tamandaré. Nas buscas, realizadas pelo 17.º Batalhão e pela Polícia Rodoviária Estadual, três suspeitos foram localizados.

Enquanto isso, Andrei passava em frente ao posto rodoviário Cabo César, na Rodovia dos Minérios, quando foi confundido com o quarto assaltante. Segundo o jovem, um policial rodoviário o derrubou e outros policiais o agrediram.

Ao perceber que Andrei não era o assaltante, o liberaram, todo machucado. O sargento Flávio de Quadros, comandante do posto rodoviário Cabo César, afirmou que nenhum dos policiais rodoviários envolveu-se em agressões.