Portos Casela
Grupo investigado há 20 dias foi pego com drogas, arma e R$ 5 mil.

Mais uma rede de tráfico de drogas foi desmantelada por policiais do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Gerco), ligado à Promotoria de Investigação Criminal (PIC). Frankis Cleiton Moraes, 25 anos; Marco Aurélio Adriano da Silva, conhecido como "Marquinhos", 26, e François Mathieu Ramaglio, 24, foram presos e autuados em flagrante por tráfico de drogas, pelo delegado Vinícius Augustus de Carvalho. Com o trio, a polícia apreendeu 550 gramas de cocaína, 250 gramas de crack, pequena quantidade de maconha, um revólver Taurus calibre 32, farta munição, duas balanças de precisão e R$ 5 mil em dinheiro.

O tenente Fábio Barros, que comandou a equipe de policiais militares do Gerco, informou que recebeu a informação de que um homem chamado Marco seria um dos grandes fornecedores de drogas de Curitiba. Após 20 dias de investigação, os policiais apuraram que Marco Aurélio residia em um apartamento na Rua Atílio Bório, no Cristo Rei, e fornecia drogas para Françoes e Frankis, que não tinham ligação entre si. "O François pegava a droga com Marcos, embalava e revendia nas proximidades de sua casa, na Rua Manoel Eufrázio, no Juvevê", relatou o tenente Barros.

Ontem pela manhã, equipes do Gerco foram até a casa dos traficantes, após semanas de monitoramento. Quando chegaram na casa de Marcos, Frankis estava negociando drogas. "Apreendemos pequena quantidade de maconha neste local", relatou o policial. Na casa de François foi localizada a cocaína e o crack, além do revólver. "O François também foi autuado por porte ilegal de arma. O revólver que ele portava não é lixado, mas não dá cadastro", salientou o tenente. Ele contou que François é brasileiro, mas filho de franceses.

O tenente disse que as investigações continuam no sentido de apurar quem era o fornecedor de Marco Aurélio e o nome das outras pessoas para quem ele revendia.

Pedida prisão de suspeito de abuso

A delegada Ana Cláudia Machado, do Núcleo da Criança e do Adolescente (Nucria), solicitou ontem, no final da tarde, a prisão temporária de Antônio Beato dos Santos, 41 anos. Há indícios de que ele seja o autor do abuso sexual que a menina S.M.F.S, de um ano e quatro meses, sofreu essa semana. A menina acabou morrendo na madrugada seguinte. Porém, apesar de a causa exata da morte ainda não ter sido identificada, o abuso sexual foi confirmado pelos laudos do Instituto Médico Legal (IML) e Instituto de Criminalística. Os exames apontaram duas lesões no ânus da criança, causados pela introdução de algum objeto. Outros fatos podem ter levado a criança à morte. Além de ela apresentar metade do peso que deveria ter para sua idade, era cega de um olho, cegueira provavelmente provocada pela desnutrição. Na noite de terça-feira, quando a mãe constatou falta de ar e tosse na menina, a criança foi levada ao hospital de Rio Branco do Sul, e em seguida, encaminhada ao Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba, onde morreu.

Segundo depoimento da mãe, Antônio, morador da casa onde ela estava hospedada em Rio Branco do Sul, chegou do trabalho na terça-feira à tarde e foi tomar banho num banheiro externo à residência. Nesse tempo, a mãe, que lavava roupas, deixou o bebê dormindo em um quarto. Antônio, após tomar banho, haveria entrado no cômodo para trocar de roupas, onde se fechou por alguns instantes. E esse pode ter sido o momento do fato, sendo ele o principal suspeito do abuso. Os familiares de Antônio confirmaram que ele possui um distúrbio mental, fato a ser averiguado pela delegada através de exame de sanidade mental.