Rita, Flávio, Maurício
e Adriano estão na DFR.

O “golpe do seguro”, que consiste em sumir com veículos para receber o seguro, levou três pessoas para a cadeia. Rita Maria Xavier Wolff, 50 anos, Maurício Marty da Rosa, 22, e Adriano Marty da Rosa, 26, foram presos, mas negaram qualquer envolvimento no crime. Eles foram denunciados por outro preso, Flávio Edgar Marques Nunes, que foi apanhado no início do mês, por furto de veículo.

O delegado Alfredo Dib, da Delegacia de Furtos e Roubos, informou que o trabalho de investigação teve início no dia 1.º de maio, quando uma viatura da DFR, ocupada pelos investigadores Luiz Eraldo, Rudis e Geremias, cruzaram com a Parati, ACJ-3511. Como o condutor estava em alta velocidade, os policiais iniciaram a perseguição, momento em que Flávio jogou o carro contra a viatura. Com o choque o veículo se desgovernou, bateu contra uma árvore e um poste. Na ocasião, Flávio e seu cúmplice, Paulo de Oliveira Filho, foram levados ao Hospital Evangélico, mas Paulo fugiu.

Investigações

Na prisão Flávio contou que foi contratado por Ariano, por R$ 100,00, para furtar a Parati e levá-la até uma vila, em Colombo. “O Flávio diz que o Adriano e o Maurício lhe entregaram as chaves do carro para que ele fosse furtado. O Adriano teria lhe dado cobertura com um Corsa”, salientou o policial. Depois eles deveriam sumir com o veículo, registrar queixa de furto e receber o seguro. “Para que o Flávio não os denunciasse, os acusados chegaram a comprar cestas básicas para a família dele.” Flávio confirmou a história na frente dos outros presos, que negaram qualquer envolvimento no crime.