Na saída de um bailão na Vila Sabará, Cidade Industrial de Curitiba, um grupo de amigos foi abordado por duas pessoas armadas. Rendidos, tiveram que deitar de bruços no chão. Um deles, o marceneiro Márcio Rogério Fragoso, 28 anos, levou vários tiros na cabeça e um nas costas. Os demais escaparam ilesos e viraram testemunhas do assassinato, cometido às 3h de ontem na Rua Helena Reichmann Massignan.

De acordo com os amigos da vítima, os dois autores estavam armados com revólver e ocupavam uma moto Honda CG verde. O Siate foi acionado, mas o marceneiro morreu na rua, antes da chegada do socorro. Os assassinos desapareceram e as testemunhas, ouvidas por investigadores da Delegacia de Homicídios, não souberam identificar os motoqueiros.

A família de Márcio também não sabe os motivos do crime. A vítima morava no Campo de Santana e dormia no trabalho, em Mandirituba – desde segunda-feira não aparecia em casa. “Ele morou mais de 10 anos na CIC e conhecia muita gente por lá. Depois que morreu, logo nos ligaram avisando”, contou a mulher, Vanessa Aparecida da Cruz, 19 anos, com quem o marceneiro tinha um filho. A primeira suspeita é que o crime esteja relacionado com alguma divergência criada no passado, dentro do bairro. Em 2001, Márcio ficou preso 30 dias na delegacia de Morretes, respondendo por furto.